Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

É um “momento de afirmação territorial”

Nuno Vaz, presidente da Câmara Municipal de Chaves, acredita que a Feira dos Santos voltará a ser “um grandíssimo espaço comercial ao ar livre”, que permitirá afirmar o território, dando-lhe visibilidade

PUB

Pese embora o contexto financeiro que assola o país, Nuno Vaz, presidente da Câmara Municipal de Chaves, acredita que a Feira dos Santos voltará a ser “um grandíssimo espaço comercial ao ar livre”, que permitirá afirmar o território, dando-lhe visibilidade.

“A nossa expectativa é, de facto, bastante elevada”, começou por revelar o autarca. “Depois de um período muito alargado de inatividade na organização de iniciativas, sobretudo de feiras de rua, o que é expectável é que nesse fim de semana, que vai desde o sábado, dia 29 de outubro, ao dia 1 de novembro, que é terça-feira, as pessoas aproveitem para sair de casa, desde as mais próximas, do concelho e de concelhos vizinhos, mas, também, de outros e da Galiza”.

O autarca espera, acima de tudo, que seja “uma Feira inebriante, com muita gente, com muita presença, com muita interação, um bocadinho na senda do que tem acontecido quer no período do verão, com muitos turistas e iniciativas, mas também nas muitas atividades que têm sido feitas no concelho”.

Estas têm revelado “que há uma avidez, uma apetência, uma vontade das pessoas para o convívio, para a relação e interação. Portanto, esperamos ter muita gente na rua”.

Na opinião de Nuno Vaz, “a Feira dos Santos é, verdadeiramente, a maior feira de rua do país e, seguramente, das maiores feiras de toda a região Norte. Para além do rebuliço, da partilha, do regresso das pessoas às suas famílias, do comércio e das transações, constitui, também, um momento de afirmação territorial de todo o espaço, particularmente de Chaves”, vincou.

Consequentemente, “vai sinalizar este território como sendo atrativo”, enquanto “oportunidade de afirmação e de visibilidade para o mesmo. Portanto, é também uma forma de ‘marketing’ territorial e, ao mesmo tempo, tem esta vocação de ser, durante quatro dias, um grandíssimo espaço comercial ao ar livre, onde se realizarão inúmeras transações comercias das mais variadas áreas, porque a Feira dos Santos é isso mesmo. É um momento importante e excecional”, concluiu.

INICIATIVA MUNICIPAL

Ainda que, atualmente, resulte de uma organização da Associação Empresarial do Alto Tâmega (ACISAT) e do município de Chaves, em declarações à VTM, Nuno Vaz explicou que “a Feira dos Santos é uma iniciativa municipal”, tendo sido, “durante muitos anos, organizada pela câmara municipal, a quem cabe essa competência”. Assim sendo, “para que a ACISAT possa fazer a Feira e ficar com as receitas da mesma, todos os anos celebramos um protocolo e aprovamos um regulamento para lhe atribuir determinadas competências, designadamente, para que possa cobrar os espaços de ocupação, que são municipais”, esclareceu o presidente da autarquia flaviense, Nuno Vaz.

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.