Sábado, 27 de Novembro de 2021

Eleições do SC Vila Real anuladas pelo Tribunal

Vinte e dois meses após as polémicas eleições no clube alvinegro, o tribunal anulou o ato eleitoral por violação dos estatutos

-PUB-

O Tribunal Judicial de Vila Real declarou nulo o ato eleitoral de 25 de maio de 2018, do qual saiu vencedora a lista C, liderada por Francisco Carvalho.

No acórdão a que a VTM teve acesso, o tribunal determina ainda a repetição da assembleia-geral eleitoral que ocorreu nesse dia, onde foram eleitos os órgãos sociais para o biénio 2018-2020.

O acórdão acrescenta ainda que é “nula a investidura de posse dos órgãos sociais” na reunião ocorrida em 16 de junho de 2018, assim como a própria assembleia-geral, por “violação dos estatutos e da lei geral”.

“CLUBE PRECISA DE ESTABILIDADE”

A ação foi interposta pelo sócio Levi Leandro, que, em declarações à VTM, disse que a decisão “veio repor justiça, mas também ensinou algo de novo aos vila-realenses”, lembrando que o processo ainda vai a meio. “O réu vai recorrer, resta-me aguardar pela decisão final, com serenidade”.

Este sócio sublinhou que o clube “precisa de paz”, por isso mostrou-se disponível, “em nome dos superiores interesses do SC Vila Real, em patrocinar um acordo, que permita ao clube sair da instabilidade em que se encontra”. 

Já o anterior presidente da Mesa da Assembleia-geral, Henrique Faria, revelou que esta foi uma “justíssima decisão judicial”, destacando o facto de a “liberdade e a lei terem retomado o seu primado no Sport Club de Vila Real”.

Acrescentou que esta decisão representa “a condenação e reprovação grave do autoritarismo, do despotismo, que hoje certamente jazem em local que se recomenda seja vivamente vigiado”, alertando ainda que “não deveremos menosprezar o sinal, a perspetiva de visão que a todos naquela data nos foi transmitido e, agora judicialmente condenado, ou seja, ao repúdio da famosa política das ‘quintinhas’ instalada na cidade”.

CLUBE VAI RECORRER

Já o presidente do clube, Francisco Carvalho, referiu à VTM que vai recorrer da decisão, até porque acredita que possa vir a ser revertida.

O SC Vila Real terá ainda de pagar as custas processuais.

Recorde-se que, para as referidas eleições, havia três listas a concorrer aos órgãos sociais, a lista A era liderada por João Álvaro, a B por Rui Florindo, e a C por Francisco Carvalho, mas o presidente da Mesa da Assembleia-geral na altura, Henrique Faria, decidiu suspender o ato eleitoral “por suspeitas da prática de atividades ilícitas na inscrição de sócios com capacidade eleitoral ativa e por questões de segurança”.  

Entretanto, na última assembleia-geral do clube, os sócios aprovaram os novos estatutos e decidiram marcar o novo ato eleitoral para os órgãos sociais para o próximo dia 17 de abril. Entretanto, esta data foi suspensa, assim como a apresentação do relatório de contas devido às contingências que o país vive em função do coronavírus.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.