Segunda-feira, 15 de Agosto de 2022

Fogo em Bustelo passou para território espanhol

O incêndio de Bustelo, que começou sexta-feira no concelho de Chaves, teve hoje uma “reativação muito violenta”, tendo já passado para território espanhol, disse à agência Lusa o Comandante Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Vila Real, Miguel Fonseca

-PUB-

Neste momento, o fogo tem uma frente que “arde com muita intensidade” não havendo, contudo, populações em risco, contou.

As chamas já passaram para o lado espanhol, estando a ser combatido por um contingente desse mesmo país, explicou.

As principais dificuldades de combate ao fogo são, atualmente, as elevadas temperaturas e o vento forte que se faz sentir, contou.

O combate ao incêndio de Bustelo conta de momento com 172 operacionais, apoiados por 50 veículos e um meio aéreo.

O fogo começou pelas 14:45 de sexta-feira e foi dado como dominado durante a madrugada de sábado, mas nesse dia à tarde verificou-se uma reativação que ganhou grande dimensão devido ao vento forte e às altas temperaturas.

Também no distrito de Vila Real lavram dois outros incêndios, contíguos, nomeadamente em Murça e Vila Pouca de Aguiar, também considerados significativos pela Proteção Civil.

No domingo, a ANEPC registou danos em sete habitações, cinco das quais devolutas, e em vários anexos em consequência do incêndio que deflagrou em Bustelo, concelho de Chaves.

Portugal continental passou, hoje, para situação de alerta, o nível de resposta mais baixo previsto na Lei de Bases da Proteção Civil, depois de ter estado durante sete dias em situação de contingência (nível intermédio entre alerta e calamidade) devido ao risco extremo de incêndio rural e elevadas temperaturas.

A situação de alerta prolonga-se até às 23:59 de terça-feira, dia em que voltará a ser reavaliada a situação.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.