Quinta-feira, 28 de Outubro de 2021

Homem foi encontrado carbonizado dentro do automóvel

“O António morreu queimado!”. A má nova propagou-se, na madrugada de domingo, na aldeia de Vale de Mendiz, provocando muita consternação. Carpinteiro de profissão, António Sousa, de 30 anos, solteiro, foi encontrado, carbonizado, dentro da sua viatura, um Renault Clio, também ela calcinada. O alerta foi dado para os Bombeiros do Pinhão, por volta das […]

-PUB-

“O António morreu queimado!”. A má nova propagou-se, na madrugada de domingo, na aldeia de Vale de Mendiz, provocando muita consternação. Carpinteiro de profissão, António Sousa, de 30 anos, solteiro, foi encontrado, carbonizado, dentro da sua viatura, um Renault Clio, também ela calcinada.

O alerta foi dado para os Bombeiros do Pinhão, por volta das 6 horas. Quando chegaram ao local, encontraram o carro ainda a arder, parado na faixa de rodagem, no lado direito da EN 322-2 e próximo do cruzamento para Vale de Mendiz, de onde era natural e residente. Segundo testemunhas, o corpo estava tombado, sobre o volante do veículo. Na aldeia, há quem garanta que o viram a dormir, no interior da viatura, cerca de duas horas antes do alerta para os Bombeiros do Pinhão. Mas ainda não estão apuradas as causas da sua morte.

Duas versões são, popularmente, sustentadas. Uma aponta para o adormecimento do condutor, outra não põe de parte a existência de crime. Aliás, António Sousa (que estava a trabalhar em Espanha) era reconhecido como bom rapaz e respeitador, apesar de gostar de se divertir.

O cadáver foi levado para a Delegação do Instituto de Medicina Legal do Centro Hospitalar Vila Real/Régua, a fim de ser autopsiado. A viatura calcinada foi retirada da via, para o posto da GNR de Alijó, sendo que o assunto ficou entregue à Polícia Judiciária.

 

Jmcardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.