Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Incêndio em Vila Pouca de Aguiar sem frentes ativas mas com vigilância “apertada”

De acordo com um ponto de situação feito ao início desta manhã, o incêndio que, no domingo, deflagrou no concelho de Vila Pouca de Aguiar, encontra-se "sem frentes ativas", avançou o município

-PUB-

De acordo com nota divulgada pela Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, “durante a noite e madrugada, foram extintas as frentes que se encontravam ativas”, nas localidades de Ribeirinha e Cevivas, “através das várias equipas de combate envolvidas no dispositivo com o apoio de maquinaria pesada (máquinas de rastos)”.

Contudo, “as equipas de combate e rescaldo estão no terreno em vigilância, estando a acompanhar todo o perímetro do incêndio”, garante a autarquia.

Pelas 00h00 desta terça-feira, decorria uma reunião sob a coordenação do Comandante Regional de Emergência e Proteção Civil do Norte, Tenente Coronel Carlos Alberto Alves, que tinha como propósito maior a “estruturação e organização territorial e de comando referente em concreto a este incêndio que se iniciou no concelho de Murça e se estendeu depois para os concelhos de Vila Pouca de Aguiar e Valpaços”, e na qual, “além de representantes de todas as forças presentes nas operações”, participaram, também, “autarcas dos concelhos onde o incêndio continua a ter incidência”.

Ao longo do dia de ontem a frente do incêndio mais ativa situava-se “a leste da aldeia de Vales”, frente esta que “ao início da manhã ganhou força e cresceu rapidamente para norte em direção à Granja e Mascanho”.

“No âmbito do combate à frente mais ativa um veículo pesado da GNR GIPS ficou surpreendido, face ao avanço do incêndio, acabando por arder em resultado de um avanço rápido das chamas”, frisou a autarquia.

“A frente principal evoluiu para norte em direção às aldeias de Ribeirinha e Cevivas passando pelo flanco mas a leste destas aldeias”.

A ocorrência chegou a mobilizar 245 homens, 80 veículos e 8 meios aéreos.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.