Domingo, 26 de Maio de 2024
No menu items!

Incêndio em Vila Pouca de Aguiar sem frentes ativas mas com vigilância “apertada”

De acordo com um ponto de situação feito ao início desta manhã, o incêndio que, no domingo, deflagrou no concelho de Vila Pouca de Aguiar, encontra-se "sem frentes ativas", avançou o município

-PUB-

De acordo com nota divulgada pela Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, “durante a noite e madrugada, foram extintas as frentes que se encontravam ativas”, nas localidades de Ribeirinha e Cevivas, “através das várias equipas de combate envolvidas no dispositivo com o apoio de maquinaria pesada (máquinas de rastos)”.

Contudo, “as equipas de combate e rescaldo estão no terreno em vigilância, estando a acompanhar todo o perímetro do incêndio”, garante a autarquia.

Pelas 00h00 desta terça-feira, decorria uma reunião sob a coordenação do Comandante Regional de Emergência e Proteção Civil do Norte, Tenente Coronel Carlos Alberto Alves, que tinha como propósito maior a “estruturação e organização territorial e de comando referente em concreto a este incêndio que se iniciou no concelho de Murça e se estendeu depois para os concelhos de Vila Pouca de Aguiar e Valpaços”, e na qual, “além de representantes de todas as forças presentes nas operações”, participaram, também, “autarcas dos concelhos onde o incêndio continua a ter incidência”.

Ao longo do dia de ontem a frente do incêndio mais ativa situava-se “a leste da aldeia de Vales”, frente esta que “ao início da manhã ganhou força e cresceu rapidamente para norte em direção à Granja e Mascanho”.

“No âmbito do combate à frente mais ativa um veículo pesado da GNR GIPS ficou surpreendido, face ao avanço do incêndio, acabando por arder em resultado de um avanço rápido das chamas”, frisou a autarquia.

“A frente principal evoluiu para norte em direção às aldeias de Ribeirinha e Cevivas passando pelo flanco mas a leste destas aldeias”.

A ocorrência chegou a mobilizar 245 homens, 80 veículos e 8 meios aéreos.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS