Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

José Manuel Gonçalves apela a “justa repartição” da água no rio Douro

O presidente da Câmara da Régua apelou hoje a uma “justa repartição” da água no rio Douro, considerando que a diminuição dos caudais é um problema “para o futuro” e que são necessárias estratégias para o mitigar.

PUB

O autarca do município ribeirinho do Peso da Régua, José Manuel Gonçalves, disse que a redução das descargas de água de barragens espanholas da bacia do Douro, hoje noticiada, era “já expectável” por causa da seca que afeta os dois países.

O Ministério da Transição Ecológica e Desafio Demográfico espanhol (MITECO) disse hoje à Lusa que Espanha diminuiu “de comum acordo com Portugal” as descargas de água de barragens hidroelétricas para o caudal do rio Douro previstas para esta semana.

“A preocupação não é de curto prazo, é de médio e longo prazo. Sabemos que isto vai ser uma tendência e, sendo uma tendência, vamos ter este problema e vamos ter de lidar com ele para o futuro e vamos ter de criar estratégias para o podermos minimizar e mitigar”, afirmou José Manuel Gonçalves à agência Lusa.

O autarca social-democrata do distrito de Vila Real defendeu “soluções que permitam fazer a retenção de água em outras zonas do território e que permitam mitigar as perspetivas do futuro” e apelou a um “equilíbrio na gestão deste bem comum”, por parte dos governos de Espanha e de Portugal.

José Manuel Gonçalves compreende as limitações que começa a haver do lado espanhol, mas sublinhou a necessidade de “um equilíbrio, uma justa repartição daquilo que existirá em termos de disponibilidade do bem”.

“Mas eu estou convencido de que o Governo português estará atento a isso e irá defender da melhor forma possível o interesses do nosso país”, salientou.

José Manuel Gonçalves fez questão de enaltecer a “gestão quase exemplar” por parte da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) que, na sua opinião, “antecipou” esta situação, conseguindo fazer uma retenção de águas nas duas albufeiras, onde há capacidade de armazenamento, designadamente as do Sabor e do Tua.

“E de alguma forma esta redução de Espanha será mínima. Tenho de agradecer aquilo que tem sido o papel da APA que antecipou, fez uma gestão atempada para que, no curto prazo, essa questão não se coloque de uma forma muito premente para todos aqueles que têm uma relação muito direta com o rio”, afirmou.

Para além da produção de energia hídrica, o rio Douro tem um forte aproveitamento turístico e, segundo José Manuel Gonçalves, “pelo menos, para este ano turístico, a navegabilidade não está posta em causa”.

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.