Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
© DR

Mais 23 mortes e 3.588 infeções nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais 23 mortes associadas à covid-19, mais 3.588 infeções e um aumento nos internamentos, segundo dados da Direção-Geral da Saúde (DGS)

-PUB-

O boletim epidemiológico diário da DGS contabiliza hoje 961 pessoas internadas por infeção com o coronavírus SARS-Cov-2, mais 44 do que na quarta-feira, das quais 142 estão em unidades de cuidados intensivos (mais quatro).

O Norte é a região do país com mais novos casos diagnosticados nas últimas 24 horas (1.161), seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo (1.104), o Centro (723), o Algarve (371) e o Alentejo (126).

Das 23 mortes, 11 ocorreram no Norte, quatro em Lisboa e Vale do Tejo, três no Centro e outras três no Algarve e duas no Alentejo.

Por faixas etárias, 14 pessoas que morreram tinham mais de 80 anos, cinco entre 70 e 79 anos e quatro entre 60 e 69 anos.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se entre os idosos com mais de 80 anos (12.116 do total de 18.610 mortos por covid-19 em Portugal desde o início da pandemia), seguindo-se as faixas etárias entre os 70 e os 79 anos (4.008) e entre os 60 e os 69 anos (1.699).

Há agora 65.130 casos ativos de covid-19 (mais 2.296 do que na quarta-feira) e recuperaram da doença 1.269 pessoas, o que aumenta o total nacional de recuperados para 1.097.554.

Em relação a quarta-feira, as autoridades de saúde têm mais 1.451 contactos em vigilância, totalizando 83.528.

Dos novos casos, 592 foram diagnosticados em pessoas entre os 20 e 29 anos, 562 entre os 30 e os 39 anos, 538 entre os 40 e os 49 anos, 462 até aos 9 anos, 436 entre os 50 e os 59 anos, 406 entre os 10 e os 19 anos, 341 entre os 60 e os 69 anos, 171 entre os 70 e os 79 anos e 80 em maiores de 80 anos.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.