Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
© DR

Mais 5.373 casos,19 mortes e novo aumento nos internamentos

Portugal regista hoje mais 5.373 casos confirmados de covid-19, 19 mortes e um ligeiro aumento de internados em enfermaria e unidades de cuidados intensivos, adianta o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS)

-PUB-

De acordo com os dados oficiais, há hoje mais cinco pessoas internadas em enfermaria, num total de 952 internamentos, e 142 pessoas internadas em unidades de cuidados intensivos (UCI), mais cinco do que as registadas na sexta-feira.

Nas últimas 24 horas recuperaram da doença mais 4.205 pessoas e há agora 65.648 casos ativos no país, mais 1.149 face ao dia anterior.

Portugal regista, ainda, 49 casos associados à variante Ómicron do coronavírus, todos assintomáticos ou com sintomas ligeiros de covid-19, indicam as “linhas vermelhas” da pandemia hoje divulgadas.

Segundo o relatório semanal da DGS e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), destes 49 casos, 39 casos (80%) foram do sexo masculino e a média das idades foi de 35 anos, tendo variado entre os três e os 73 anos.

“Estão identificados um total de 49 casos associados à variante Ómicron. Este valor inclui os casos com sequenciação do genoma viral, bem como os casos nos quais foram identificadas mutações específicas fortemente preditores da variante Ómicron”, precisa a análise de risco da pandemia, avançando que são mais 15 casos em relação à semana passada.

De acordo com as “linhas vermelhas”, a situação epidemiológica da variante Ómicron encontra-se ainda em evolução e investigação. A par disto, a mortalidade por covid-19 apresenta uma “tendência crescente”, tendo aumentado 28% em relação à semana anterior.

Segundo as mesmas “linhas vermelhas” hoje divulgadas, Portugal continental tem 56% das camas de cuidados intensivos destinadas a doentes covid-19 ocupadas e a região do Algarve já “atingiu o limiar de alerta de ocupação”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.