Quarta-feira, 20 de Outubro de 2021
©DR

Nove concelhos do distrito Bragança sob risco máximo de incêndio

Mais de trinta concelhos dos distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre e Faro apresentam hoje um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA)

-PUB-

De acordo com a informação publicada pelo IPMA, estão sob este alerta, no distrito de Bragança, os concelhos de Vimioso, Bragança, Miranda do Douro, Mogadouro, Freixo de Espada-à-Cinta, Mirandela, Macedo de Cavaleiros, Bragança e Alfândega da Fé, e no distrito da Guarda, está o concelho de Figueira de Castelo Rodrigo.

Estão igualmente sob risco máximo de incêndio os concelhos de Fundão, Proença-a-Nova, Vila Velha de Rodão e Vila de Rei, no distrito de Castelo Branco, e Portalegre, Nisa, Castelo de Vide, Marvão e Gavião, no distrito de Portalegre.

Também Santarém tem vários concelhos sob este alerta do IPMA, nomeadamente Ferreira do Zêzere, Vila de Rei, Tomar, Mação, Abrantes, Constância, Sardoal, Vila Nova da Barquinha, assim como o distrito de Faro: Lagos, Silves, Monchique, Portimão, Tavira, Loulé e São Brás de Alportel.

O IPMA colocou também várias dezenas concelhos do interior Norte e Centro e da região do Alentejo e Algarve em risco muito elevado e elevado de incêndio.

O período crítico de incêndios dura até final de setembro e, até lá, é proibido fazer queimadas extensivas ou queima de amontoados sem autorização, usar fogareiros ou grelhadores em todo o espaço rural, e fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais. É proibido, ainda, lançar balões de mecha acesa ou foguetes ou fazer trabalhos na floresta que possam originar faíscas.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.