Segunda-feira, 28 de Novembro de 2022

Papa preocupado com condições de vida das crianças

Papa recorda crianças abandonadas e vítimas da guerra, na sua intenção de oração para novembro

-PUB-

O Papa alertou para a exploração de milhões de crianças, em todo o mundo, com a sua intenção de oração para novembro.

“Há ainda milhões de crianças que sofrem e vivem em condições muito semelhantes à escravidão. Não são números: são seres humanos com um nome, com um rosto, com uma identidade dada por Deus”, refere Francisco, num vídeo divulgada através dos canais digitais.

A intenção mensal de oração considera que “cada criança marginalizada, abandonada por sua família, sem escolaridade, sem cuidados médicos, é um grito”.

“Um grito que se eleva a Deus e acusa o sistema que nós, adultos, construímos”, acrescenta o Papa.

“Rezemos para que as crianças que sofrem, as crianças que vivem nas ruas, as vítimas da guerra e os órfãos, possam ter acesso à educação e possam redescobrir o afeto de uma família”.

Francisco apela a uma tomada de consciência da responsabilidade de cada um perante a exploração de crianças sem “direito a brincar, a estudar, a sonhar”, sem “o calor de uma família”.

“Uma criança abandonada é culpa nossa. Não podemos continuar a permitir que se sintam sozinhas e abandonadas; elas precisam receber uma educação e sentir o amor de uma família para saberem que Deus não as esquece”, aponta.

O ‘Vídeo do Papa’ é uma iniciativa oficial desenvolvida pela Rede Mundial de Oração do Papa (Apostolado da Oração), confiada aos Jesuítas.

Desde 2016, as várias edições mensais que divulgam a intenção de oração do Papa tiveram mais de 180 milhões de visualizações em todas as redes sociais do Vaticano.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.