Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Piloto morre em queda de avião de combate a fogos

O piloto de um avião anfíbio de combate a incêndios perdeu vida após a queda da aeronave que pilotava, numa vinha da Quinta do Crasto, em Castelo Melhor, concelho de Foz Côa.

-PUB-

A notícia foi avançada pelo presidente da câmara de Foz Côa, sendo que o óbito foi decretado no local pela equipa medica do helicóptero Instituto Nacional de Emergência Médica.

“O corpo do piloto ficou carbonizado e o avião anfíbio complemente destruído, não se conseguindo edificar o modelo mas tudo indica Fire Boss”, disse João Paulo Sousa.

De acordo com o comandante Nacional de Proteção Civil, André Fernandes, foram enviados meios para o local, nomeadamente um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica, meios de busca e salvamento da Força Aérea, meios dos bombeiros dos distritos da Guarda e de Bragança, elementos da Polícia Marítima, além de um helicóptero de coordenação da Proteção Civil.

Segundo disse à Lusa o comandante Distrital de Operações e Socorro de Bragança, Noel Afonso, a aeronave anfíbia encontrava-se a operar num incêndio florestal em Urros, no concelho de Torre de Moncorvo, “há algumas horas” e que segundo pagina a Autoridade Nacional de Emergência  e Proteção Civil (ANEPC) estava, às 21:35, com 56 operacionais e 20 veículos.

“A aeronave teve de ir abastecer ao rio Douro, na zona de Foz Côa, quando se deu o acidente”, concretizou o comandante.

O Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários vai mobilizar equipa de investigação de maneira a estar no local ao nascer do dia de amanhã.

Entretanto, o ministro da Administração Interna lamentou a morte do comandante-piloto, solidarizando-se neste “momento trágico” com todos os que prestam “um serviço inestimável” na luta contra os fogos.

Também o primeiro-ministro e o presidente da República já enviaram as condolências à família da vítima.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.