Terça-feira, 21 de Maio de 2024
No menu items!

Projeto da ULSTMAD monitoriza doentes com doença pulmonar  

“Telemonitorizar para não agudizar” é um projeto destinado a pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC)

-PUB-

A Unidade Local de Saúde de Trás-os-Montes e Alto Douro (ULSTMAD) anunciou que tem implementado um projeto de telemonitorização pelo Serviço de Pneumologia destinado a pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC), iniciado em abril.

Em comunicado, a ULSTMAD revela que este projeto foi desenvolvido para “combater a alta prevalência e gravidade da DPOC, que afeta aproximadamente 14% da população nacional, e representa a terceira maior causa de mortalidade a nível mundial”. Na ULSTMAD corresponde aproximadamente a “60 doentes internados por ano por exacerbações da DPOC”.

A DPOC “é notoriamente conhecida pelas suas descompensações frequentes, que são uma causa comum de internamentos hospitalares, contribuindo significativamente para a progressão da doença e aumento da taxa de mortalidade”, explica a mesma nota.

“Já vim três vezes para o internamento com complicações, estive quase a ir para o outro lado”, afirma a doente Isabel Moura, citada no comunicado, acrescentado que com este programa “sente-se mais confortável, uma vez que a proximidade e controlo dos parâmetros clínicos é mais eficiente por parte dos profissionais de saúde”.

Com a introdução do programa de telemonitorização, liderado pela equipa de Reabilitação Respiratória do Serviço de Pneumologia, “pretende-se transformar radicalmente a maneira como esta doença é gerida. O programa foca-se na monitorização diária dos sintomas respiratórios e dos sinais vitais dos pacientes, permitindo ajustes constantes e personalizados no tratamento”.

“Este processo não só assegura uma resposta terapêutica rápida e eficaz, mas também fortalece o vínculo entre os pacientes e os profissionais de saúde, garantindo um acompanhamento contínuo e atento”.

Os principais objetivos deste projeto passam pela “redução significativa das admissões hospitalares e o uso dos serviços de saúde, através da identificação precoce das exacerbações da doença. Com isso, esperamos proporcionar uma melhoria substancial na qualidade de vida dos nossos utentes e uma gestão mais eficiente dos recursos de saúde disponíveis”.

A implementação deste programa de telemonitorização “é um passo importante para a ULSTMAD e para o tratamento da DPOC na nossa região, oferecendo aos doentes uma esperança renovada para uma vida mais saudável e independente”, conclui a nota da Unidade de Saúde Local.

 

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS