Sábado, 21 de Maio de 2022

Rui Rio diz notar mobilização por todo o lado 

Em campanha por Vila Real, Rui Rio tocou hoje bombo com entusiasmo e disse que “por todo o lado” tem notado “mobilização interna” e o “acolhimento externo”, reconhecendo já ter nomes pensados para a formação do Governo.

Um grupo de bombos foi abrindo caminho ao líder do PSD neste percurso pelo centro da cidade transmontana e foi já quase na parte final da arruada que Rio foi puxado para o meio dos elementos e juntou-se também a tocar.

Antes a comitiva, que foi engrossando ao longo do percurso, com apoiantes e militantes provenientes um pouco de todo o distrito e que atravessou a rua Direita de Vila Real em contactos com a população e os comerciantes, foi oferecendo flores, panfletos e lápis.

“Por todo o lado tenho notado essa mobilização interna, por um lado, e, por outro lado, o acolhimento externo quando me dirijo às pessoas”, afirmou o presidente do PSD aos jornalistas.

©MF

Questionado pelos jornalistas sobre se já tem um Governo na cabeça se ganhar as eleições de 30 de janeiro, Rui Rio respondeu: “tenho algumas coisas na cabeça, seguramente, quer a estrutura quer alguns nomes, isso tenho”.

E quanto à declaração do líder do CDS que disse que gostava de ter a pasta da Defesa num futuro Governo de direita, o presidente social-democrata disse ainda que “havendo uma negociação com o CDS e a Iniciativa Liberal (IL) pode passar por integrar o Governo ou não, no passado integrou sempre o Governo”.

A Norte a campanha seguiu animada, provavelmente pelas sondagens recentes que dão o PSD a aproximar-se do PS, e Rio salientou, referindo-se a António Costa, que “alguém que teve a governação que teve durante estes seis anos ainda achar que o povo está disponível para lhe dar uma maioria absoluta é algo que é um bocado arriscado” e “só faltava que isso agora também acontecesse”.

O líder social-democrata entrou em várias lojas, como a livraria “Branco”, e que é a mais antiga do país na mesma família. O proprietário Alfredo Branco desabafou que vai conseguindo manter o negócio, com algumas dificuldades e, como leitura recomendou a Rio, um livro do autor transmontano Pires Cabral.

Uma popular disse-lhe ainda que “este que lá está (primeiro-ministro) tem de sair cá para fora, ele é o comilão dos combustíveis” “Assim faremos, assim faremos”, repetiu Rio.

Antes da iniciativa “Conservas Centrais”, hoje dedicada à economia e finanças, o presidente do PSD foi tomar café a uma das mais antigas pastelarias da cidade de Vila Real, junto à avenida Carvalho Araújo.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

Homem encontrado morto em casa

PREMIUM

Um lar a que todos chamam casa

Homem morre em colisão

Homem morre afogado em Valdanta

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.