Sexta-feira, 7 de Maio de 2021

Superliga Europeia – O projeto de 48 horas

[CONTEÚDO PATROCINADO] Uma das questões mais faladas, se não a mais dita no desporto nos últimos dias, a Superliga Europeia foi suspensa apenas 48 horas após o lançamento do projeto inicial ao público.

A ideia era reunir as 20 melhores equipas europeias, nas quais 15 foram fundadoras e mostraram interesse em criar oposição à famosa Liga dos Campeões. No entanto, apenas 12 destes 15 foram expostos, para a sorte dos últimos 3 que não foram revelados.

Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United e Tottenham, da Inglaterra; Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid, da Espanha; e Inter de Milão, Juventus e Milan, da Itália foram os que constam na lista das 12 equipas fundadoras.

A surpresa foi que realmente as equipas que lançaram são algumas das melhores, participando em campeonatos extremamente famosos acompanhados por todo o mundo, incluindo a Betway.

O que se esperava era que equipas de outros países, incluindo Portugal, pudessem aderir à lista. Muitos sites seguiram o movimento, incluindo a Betway agora em Portugal, uma vez que, pode ser uma grande mudança no mundo do futebol.

Para aqueles que não aderiram à lista direta, ainda houve a possibilidade de participar nas eliminatórias, com base nos resultados dos anos anteriores da Superliga, para obter um dos 5 lugares destinados.

No entanto, os problemas começaram com os próprios adeptos, que viram a possibilidade de as suas equipas deixarem a Liga dos Campeões como uma afronta não só à UEFA, mas também a eles. A Liga dos Campeões é um dos campeonatos mais famosos do mundo e é também um dos maiores geradores de capital.

As equipas convidadas também poderiam deixar de participar na competição da UEFA, uma vez que a Superliga diz apreciar uma continuidade anual do futebol com maiores ganhos e também para melhorar a qualidade dos jogos, que aconteceria semanalmente, mostrando a verdadeira paixão dos jogadores de vários países por um longo período de tempo.

A resposta, no entanto, foi negativa por todos os lados. Dos adeptos, que protestaram, ao gigante UEFA, que prometeu uma represália às equipas que tentaram fazer parte da competição.

A UEFA tem o poder de punir jogadores e equipas e essa foi a ameaça feita. A entidade afirma que precisa de dar a aprovação para que estas equipas criem um novo concurso e que este apoio não foi dado.

A entidade afirma que os clubes podem ser impedidos de participar em torneios nacionais e internacionais e os jogadores também receberiam grandes castigos, incluindo mesmo a incapacidade de jogar nas suas seleções nacionais.

A UEFA também teceu duras críticas, insinuando que as equipas em questão só queriam angariar fundos para seu próprio benefício, esquecendo o momento em que viveram e a necessidade de pensar em solidariedade.

Após as ameaças e protestos, os seis clubes ingleses já anunciaram a saída do projeto e, além disso, Milan e Inter de Milão também parecem estar a avançar para a saída da rápida participação da Superliga Europeia.

Com isto, os representantes oficiais anunciaram que o projeto está suspenso, mas afirmam que não prejudica qualquer lei ou regulamento europeu e que esperam reformular a Superliga para que possam trazer novamente a iniciativa, e agora com pontos mais claros sobre as reais necessidades de um novo tipo de sistema, como foi dito no comunicado oficial enviado à comunicação social que o projeto foi lançado porque “o sistema existente não funciona”.

Alegam também que o estudo foi feito para que toda a comunidade europeia do futebol pudesse tirar partido da beleza do futebol constante e de alta qualidade e dos ganhos provenientes da liga.

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.