Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
©DR

Vila Real cancela festejos de Passagem de Ano

A Câmara Municipal de Vila Real decidiu cancelar as festividades de Passagem de Ano, que estavam previstas para a Praça do Município.

-PUB-

A informação foi confirmada há instantes pelo presidente da autarquia, Rui Santos, que, perante as novas medidas anunciadas ontem pelo Governo, não restava alternativa que não fosse o cancelamento. “Temos de cancelar o programa que estava previsto tal como aconteceu em 2020”.

A autarquia tinha um programa vasto, que a festa de Passagem de Ano, na Praça do Município e ao ar livre, com direito a madeiro de Ano Novo, fogo e artifício e a atuação de Quim Barreiros.

Rui Santos revelou que a pandemia está controlada no concelho, onde ontem se registavam cerca de 120 casos, no entanto, compreende as decisões do Governo, recordando o que aconteceu no ano passado. “Em 2020 foi dada liberdade às pessoas nesta quadra festiva e depois, em janeiro, a situação piorou de forma considerável, por isso mais vale prevenir do que remediar”, frisa, adiantando que o centro de rastreio à Covid-19 vai continuar a funcionar até ao final de janeiro, para que as pessoas possam fazer testes gratuitos e entrar a espaços que os obrigam a apresentar, como é o caso dos restaurantes.

O autarca destacou que a vacinação está a correr a “um bom ritmo”, revelando que o Centro de Vacinação “vai abrir a 3 de janeiro na antiga residência de Codessais da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, um espaço mais pequeno, que agradou ao ACES Douro Marão”.

Quem pretender tomar a vacina da gripe “pode dirigir-se a uma farmácia da cidade, em que a autarquia assume os custos”, afirmou Rui Santos, que espera que o Governo faça chegar os apoios aos empresários afetados pelas novas medidas de contenção da pandemia.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.