Quarta-feira, 14 de Abril de 2021
©DR

Vila Real e Bragança entre os distritos que mais cresceram no alojamento local

O alojamento local cresceu mais nos distritos do interior do que nos do litoral em 2020, devido ao contexto pandémico.

Em 2020, o alojamento local cresceu mais nos distritos do interior do que nos do litoral e a culpa é da pandemia. Segundo a associação que representa o setor, Lisboa e Porto estagnaram.

“No alojamento local, os distritos que mais cresceram foram os distritos do interior, quase os únicos: Bragança, Vila Real e Guarda. Lisboa e Porto estagnaram. Lisboa, inclusive, diminuiu 2%”, avançou o presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) na Assembleia da República.

Eduardo Miranda falava através de videoconferência na comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, sobre a aplicação das medidas de resposta à pandemia de Covid-19 e do processo de recuperação económica e social.

De acordo com o presidente da ALEP, atualmente há 1.800 alojamentos locais anunciados nas plataformas oficiais da associação, mas muitos já terão saído e não deram baixa.

“Isto é uma adaptação natural e nós olhamos para a sustentabilidade aqui como um grande desafio. Achamos que o alojamento local pode ter um papel fundamental no interior, porque nas pequenas aldeias e nas vilas aquelas uma, duas, três unidades podem crescer gradualmente com sustentabilidade”, observou.

Para Eduardo Miranda, os grandes centros urbanos podem ter um papel muito importante no processo de descentralização do turismo no futuro.

“Os turistas chegam, principalmente, pela via aérea de Lisboa e Porto, que podem ser a porta para depois se fazerem programas para outras zonas”, disse, lembrando que, desde 2019, os centros urbanos – especialmente Lisboa – estiveram já mais equilibrados e as aberturas praticamente paralisaram, enquanto que em 2020 “houve um decréscimo real” na capital.

Com vista a evitar a concentração do turismo nas grandes cidades, Eduardo Miranda reiterou que a sustentabilidade é prioritária para o setor.

“É um tema que temos como prioritário e vamos estar aqui, seguramente, a focar neste tema nos próximos dois, três anos, porque acreditamos que é este o caminho e que o alojamento local ainda tem uma imagem errónea em termos de perceção pública e política e pode ser o contrário: um grande instrumento em termos de sustentabilidade”, realçou.

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.