Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2024
No menu items!

22 mil euros para campanha de recolha seletiva de biorresíduos

Em Montalegre, os biorresíduos, como restos de comida, óleos alimentares ou resíduos de jardim, vão ter local próprio para serem depositados.

-PUB-

A campanha de recolha seletiva de resíduos no concelho já começou, com a distribuição de contentores adequados para a recolha de resíduos biodegradáveis, que acontece até ao final do ano.

O investimento da Câmara Municipal de Montalegre ronda os 22 mil euros e tem como propósito levar ao “cumprimento das metas europeias e nacionais de recolha seletiva de resíduos, a valorização dos resíduos enquanto recurso ao produto, a redução de gases com efeito de estufa, a promoção da economia circular e o envolvimento dos cidadãos na adoção de práticas mais sustentáveis e amigas do ambiente”, afirma o presidente da autarquia, Orlando Alves.

Segundo a autarquia, a recolha de resíduos sólidos urbanos no concelho de Montalegre tem o custo de cerca de meio milhão de euros por ano, verba que deverá ser ultrapassada em 2022, visto que até agosto deste ano os encargos neste setor já rondavam os 386 mil euros.

O autarca Orlando Alves sustenta que este valor despendido poderia ser bastante mais baixo, caso as práticas como a reciclagem e compostagem fossem mais frequentes. “A população não faz a mínima ideia dos custos que representam a recolha, o transporte e o tratamento do lixo na unidade de tratamento no aterro. Cada quilograma tem um valor e, claro, tudo pesa”, afirma. O responsável autárquico esclarece que o município cumpre a obrigação, enquanto entidade pública, mas alerta que “é necessário que haja esta consciencialização coletiva para bem do ambiente” e refere que “se estes valores, de encargos com o lixo, fossem diferentes, a verba podia ser canalizada para outras áreas”.

Cada habitante no concelho de Montalegre produz em média 410 quilos de lixo por ano.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.