Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2024
No menu items!

“A banca tem de fazer um esforçozinho…”

De frases também se faz a história. Mesmo que essas frases possam significar muitas coisas diferentes.

-PUB-

Em geral, o mundo está sempre atento ao que os grandes vultos da política, da literatura, das artes digam. Ou a imprensa, a rádio e a televisão. Uma frase que já se tornou famosa é a que estabelece que “se a televisão diz é porque é verdade”. Outra refere que quem vai dizer frases à televisão tem os seus “quinze minutos de fama”. Essas opiniões podem significar desejo ou realidades, frustrações, incertezas e até mentiras (ai, as “fake news” e a inteligência artificial!).

Em Portugal, é na política e no desporto que se reúnem as frases mais significativas que ora nos causam admiração ora um sorriso nos lábios. Essas frases revelam muito daquilo que são as mentalidades de quem as profere. Para o bem e para o mal.

Atentemos em algumas das que selecionámos no decorrer de 2023. Podemos comparar as de hoje com outras célebres frases de ontem: “L´État c´est moi”, “I have a dream”, “Make love not war”, “Play it again, Sam”, “Panem et circenses”.”

Vamos a isso


ANTÓNIO COSTA 

“O governo pôs-se a jeito e cometeu erros” – janeiro
“Há uma certa dissociação entre o discurso do governo e o sentimento dos portugueses” – março
“Não respeitar o mandato é por em causa a democracia” – abril
“Não aceitarei uma missão que ponha em causa a estabilidade em Portugal” – junho
“Tenho muita consideração por Pinto da Costa, apesar dos desgostos que me dá como benfiquista que sou” – julho
“Não desvalorizo a corrupção, o que preocupa as pessoas são outros assuntos bastante diferentes” – julho
“Cada um deve estar no seu galho” – setembro
“Obviamente, apresentei a minha demissão” – novembro
“O país não merecia eleições” – novembro

MARCELO REBELO DE SOUSA

“Queremos uma maioria absoluta que não esteja morta” – janeiro
“É uma lei-cartaz tal como está concebida. É inoperacional quer no ponto de partida quer no ponto de chegada” – março
“PSD, Chega e IL têm dificuldade em compreender a plenitude do 25 de abril” – março
“O caso que envolve Jorge Galamba é muito sensível” – maio
“É o poder que tem de mudar e não o povo” – maio
“A banca tem de fazer um esforçozinho” – junho
“É preciso cortar os ramos que atingem a árvore toda” – junho
“A filha é mais bonita que a mãe mas a filha ainda apanha uma gripe. Já viu bem o decote?” – setembro
“As instituições ou mudam a bem ou mudam a mal” -setembro

PAPA FRANCISCO

“A homossexualidade não é crime” – janeiro
“Estou muito triste. O país onde apareceu Nossa Senhora aprovou uma lei para matar” – maio
“Ergam-se e sejam alegres” – agosto
“Na Igreja ninguém está a mais. Há lugar para todos, todos, todos” – agosto
“Os migrantes não são invasores” – setembro

LUÍS MONTENEGRO

“António Costa pedala para trás” – fevereiro
“É imoral pagar menos a trabalhadores que a desempregados” – fevereiro
“O dr. António Costa tem um desplante político grande” – julho
“Este orçamento de Estado é muito pipi” – outubro
“O governo está a tirar de um lado para por no outro ou até a tirar dos dois lados” – outubroD. AMÉRICO AGUIAR

“Valor do palco para as Jornadas Mundiais da Juventude é número que magoa” – janeiro
“No conflito entre Israel e Gaza, o pior que podemos fazer é tomar partido” – outubro

 

ROGER SCHMIDT

“Vencer a Champions? Nada é impossível no futebol” – março
“Não somos uma equipa construída com muito dinheiro” – abril
“Por mim, podem acabar com o VAR. Não tem sentido nenhum” – abril
“O árbitro não esteve connosco” – setembro
“Os jogos mais importantes do Benfica são contra o F. C. Porto” – outubro
“Ao ver o desempenho vi que fiz um trabalho muito mau” – novembro
“Não reparei na contestação dos adeptos” – novembro

PINTO DA COSTA

“Os jornais não têm categoria para criar uma guerra que me separe do treinador” – março
“O Estádio da Luz é o nosso salão de festas” – abril
“Os tubarões estão no mar e o Sérgio Conceição não é marinheiro” – maio
“O mal do futebol português é o conjunto de programas televisivos a dizer mal de todos” – setembro

ANTÓNIO GUTERRES

“Começou a era da ebulição global” – julho
“Os ataques do grupo islamista Hamas não aconteceram do nada. O povo palestiniano foi sujeito a 56 anos de ocupação sufocante” – outubro
“Estou chocado com a deturpação das opiniões que proferi” – outubro

ANDRÉ VENTURA

“O primeiro-ministro está louco? Perdeu completamente o juízo” – maio
“A TAP vai ou não reembolsar o governo e os portugueses sobre o dinheiro que lá foi colocado?” – setembro


OUTRAS FRASES

“Qualquer dia expulsam-me pelos pensamentos que eu tenha” – Sérgio Conceição, treinador do F.C. Porto – fevereiro

“Uma casa vazia é uma casa devoluta”
– Marina Gonçalves, ministra da habitação – março

“Só paro quando morrer”
– Ruy de Carvalho, ator – março

“A Igreja não é um antro de pedófilos”
– D. José Ornelas, bispo – março

“Pichardo foi comprado para haver resultados a curto prazo”
– Nélson Évora, atleta – março

“A atual crise é o resultado do falhanço da política do governo no domínio da habitação nos últimos sete anos”
– Cavaco Silva, ex-primeiro ministro e ex-presidente da República – março

“Sou o bode expiatório numa batalha política”
– Christine Ourmières-Widener– ex- CEO da TAP – março

“Quando olho para o país, fico perplexo”
– António José Seguro, militante do PS – maio

“Santarém é muito longe”
– João Galamba, ministro das Infraestruturas de Portugal – junho

“Ao atacarem-me a mim estão a atacar a democracia toda “
– Rui Rio, ex-presidente do PSD – julho

“O Barcelona foi sempre a minha primeira escolha”
– João Félix, futebolista – julho

“Se for útil e houver condições poderei aceitar ser candidato a Belém”
– Marques Mendes, comentador televisivo – agosto

“Não estou satisfeito com o que tenho visto”
– Rui Costa, presidente do Benfica – setembro

“Conceição é um falhado e não tem fair-play” – Rui Moreira, adepto do F. C. Porto – setembro

“A Liga Portuguesa é um circo”
– Cristiano Ronaldo, futebolista – setembro

“A minha condição é ser o próximo presidente do Futebol Clube do Porto”
– André Villas-Boas – outubro

“Alimentámo-nos sempre um ao outro”
– Lionel Messi, futebolista, sobre o CR7 – novembro

“Não conhecia a capacidade de aceleração para o precipício de António Costa”
– Manuel Carvalho da Silva, ex-sindicalista – fevereiro

“Chega de insultos, chega de degradarem as instituições, chega de envergonharem o nome de Portugal”
– Santos Silva, presidente da Assembleia da República – abril

“Uma coisa é o PS, outra é o país e os cidadãos que começam a mostrar estarem cheios disto”
– Gomes Fernandes, empresário – maio

“Alguns parlamentares da Comissão de Inquérito da TAP atuaram como procuradores do cinema americano série B”
– Adão e Silva, ministro da Cultura – junho

“O ministro da cultura revelou falta de respeito pelos deputados”
– Lacerda Sales, presidente da Comissão de Inquérito – julho

“Recebi mais vezes industriais de sapatos de terceira categoria do que o doutor Salgado, enquanto estive no governo”
– Manuel Pinho, ex-ministro – outubro

“Estamos exaustos por tentar segurar um SNS que se desmorona”
– Maria João, médica do SNS – outubro

“Temos um planeta mais adequado às lágrimas do que ao sorriso”
– Ricardo Araújo Pereira, humorista – novembro


A FRASE INTERNACIONAL DO ANO – Lição de Economia

“Se os vencimentos forem altos, os juros aumentam, sobe a inflação e os aumentos salariais ficam abaixo do que estavam antes”

CHRISTINE LAGARDE
Presidente do Banco Central Europeu – junho

 

 

A FRASE NACIONAL DO ANO – Nada de lições

“Eu fui emigrante, sou casado com uma imigrante, o meu sogro é marroquino, a minha sogra é tunisina, por isso há algo que gostaria de deixar bem claro: não aceito lições de ninguém, nesta matéria”

CARLOS MOEDAS
Presidente da Câmara Municipal de Lisboa – fevereiro

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.