Terça-feira, 17 de Maio de 2022

A missão dos Movimentos Laicais na diocese de Vila Real

Este mês foi a vez de Vila Pouca de Aguiar receber a tertúlia sobre os Movimentos Laicais presentes na diocese de Vila Real, que decorreu na igreja paroquial.

O painel foi moderado por Celso Sá Santos e teve a intervenção dos movimentos: Associação dos Médicos Católicos Portugueses, representada por Bela Alice Costa; Associação Cristã de Empresários e Gestores, representado por João Quintela Cavaleiro; Caminho Neocatecumenal, representado pelo padre Xavier Romero; Centros de Preparação para o Matrimónio, representados pelo casal Teresa Cristina Albuquerque e João Paulo Lopes; e as Equipas de Nossa Senhora, representadas pelo casal Ana Cristina de Castro e Vítor Guedes.

Cada movimento deixou o seu testemunho e partilha da missão realizada nas várias realidades onde estão presentes, desde hospitais às empresas, das comunidades às famílias.

O bispo, D. António Augusto, agradeceu a presença de todos e manifestou regozijo pela atividade destes movimentos no percurso dos 100 anos da diocese, destacando o seu contributo para uma Igreja mais viva e a imagem real que estes movimentos dão da variedade da vida eclesial.

As tertúlias mensais, que decorrem neste ano jubilar, fazem-nos olhar o presente com os olhos voltados para o futuro, concretamente estes novos movimentos laicais são o “sinal que o Espírito Santo continua a soprar na Igreja e a suscitar os carismas adequados a cada época”, como disse o padre Domingos Barrias, Arcipreste do Centro II, na saudação inicial.

Esteve também presente o Orfeão de Vila Pouca que, no início do encontro, executou uma peça musical e, no final, o hino da diocese.

A próxima tertúlia decorre a 11 de março e abordará a presença das congregações religiosas na diocese.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.