Terça-feira, 29 de Novembro de 2022

Carreira aérea regressa na sexta-feira 

A carreira área que atravessa o país, desde Bragança a Portimão, volta a fazer escala em Vila Real a partir de sexta-feira, depois da pista do aeródromo municipal ter fechado aos aviões em 2019, anunciou hoje a câmara.

-PUB-

Rui Santos, presidente da Câmara de Vila Real, disse que “está tudo preparado” para a reativação da ligação aérea Bragança – Vila Real – Viseu – Cascais e Portimão a partir de sexta-feira, “depois de um longo calvário” e de um “enorme investimento”.

Em julho de 2019, o município anunciou o encerramento do aeródromo municipal “por tempo indeterminado” à operação de aviões, depois de ter sido detetado “um perigo de abatimento na pista”.

Em consequência do encerramento da pista aos aviões, já que os helicópteros continuaram a poder aterrar, Vila Real deixou de ser paragem nesta rota aérea que liga Bragança a Portimão (Faro).

“Esta carreira aérea é viável com Vila Real, sem Vila Real a sua frequência diminui em mais de 40%. É muito importante ter esta linha área que liga o norte ao sul do país. Continuo a dizer que é pena não aterrar no aeroporto Humberto Delgado e aterrar em Tires, mas é melhor ter esta carreira do que não ter nenhuma”, afirmou Rui Santos.

O autarca disse que a “carreira área esteve fechada durante muito tempo”, em Vila Real, e que isto “não foi uma catástrofe para a região porque o tempo em que esteve encerrada coincidiu com a pandemia de covid-19”.

“E, como se sabe, com a covid-19, as linhas aéreas tiveram uma frequência muito reduzida. Eu diria que no meio deste azar todo, se houvesse um momento para escolher a interrupção da linha área tinha sido este momento”, frisou.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.