Sábado, 19 de Junho de 2021
©DR

Catarina Pinheiro Mota apresenta livro “Crianças, Jovens, Cuidadores no Acolhimento Residencial”

Apresentação decorreu no Auditório do Centro Cultural de Chaves

-PUB-

A flaviense Catarina Pinheiro Mota, apresentou, na quarta-feira,  no Auditório do Centro Cultural de Chaves, o livro “Crianças, Jovens, Cuidadores no Acolhimento Residencial – A vivência de quem cuida e de quem quer ser cuidado”, pondo todos as presentes à descoberta da ideia de que na aparência do comportamento distanciado ou até disruptivo, esconde-se o profundo desejo de ser amado.

O vice-presidente da autarquia, Francisco Melo, presente na sessão de apresentação do livro, reconheceu o trabalho desenvolvido, realçando ser uma temática importante para o concelho, uma vez que, “a forma como tratamos a infância e a juventude diz muito daquilo que somos em sociedade”.

A psicóloga clínica e psicoterapeuta, convidou para a sessão Rita Lisboa, diretora técnica do Lar-Escola Florinhas da Neve, que abordou o tema “O Papel e Desafios dos Cuidadores no Acolhimento Residencial”, Cidália Mocho, representante do município na CPCJ Chaves, com a temática “Dinâmica entre as Entidades Públicas de Ação Social e os Projetos de Melhoria no Cuidado em Acolhimento Residencial” e por fim Helena Carvalho, Investigadora do Projeto CareME: Eficácia de uma Intervenção Baseada na Vinculação no Acolhimento, que apresentou na íntegra o livro da escritora.

Durante a sessão foram abordadas questões do acolhimento residencial não só da perspetiva das crianças e jovens, mas também na perspetiva dos cuidadores, assim como as dificuldades sentidas de ambas as partes.

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.