Quarta-feira, 20 de Outubro de 2021
©Arquivo/VTM

Centros de vacinação começam a fechar no final de agosto

Os centros de vacinação contra a Covid-19 instalados nos 12 concelho do distrito de Bragança começam a encerrar no final de agosto.

-PUB-

Os centros de vacinação contra a covid-19 instalados nos 12 concelho do distrito de Bragança começam a encerrar no final de agosto e até 19 de setembro todo o processo passa para os centros de saúde.

A informação foi avançada hoje pela Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste, a entidade responsável pelo processo de vacinação em parceria com as câmaras municipais, que disponibilizaram os espaços para a vacinação em massa da população.

A ULS do Nordeste decidiu iniciar a desativação dos centros de vacinação e passar o processo para os centros de saúde numa altura em que, como avança em comunicado, “a taxa de cobertura vacinal global no distrito é superior a 80% com pelo menos uma dose de vacina e superior a 70% com a vacinação completa”.

Os 12 centros de vacinação vão ser desativados gradualmente, a começar no final de agosto, ou seja, na próxima semana, em Alfândega da Fé, Macedo de Cavaleiros, Miranda do Douro e Torre de Moncorvo.

Em Vinhais, o centro de vacinação mantém-se em funcionamento até ao dia 08 de setembro e, nos restantes concelhos, concretamente Bragança, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Mirandela, Mogadouro, Vila Flor e Vimioso, vão funcionar até ao dia 19 de setembro.

Segundo a ULS do Nordeste, à medida que os centros de vacinação encerram, passam a ser os centros de saúde a administrar as vacinas nos respetivos concelhos.

Os 12 centros de vacinação do distrito de Bragança foram instalados em abril, em parceria com os municípios, “com o objetivo de criar as melhores condições para a vacinação em massa”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.