Quinta-feira, 29 de Julho de 2021

“Crescer e Aprender com a Natureza”

ESPECIAL ENSINO - Jardim de Infância da Santa Casa da Misericórdia

-PUB-

A Santa Casa da Misericórdia agrega diversas valências nos domínios da Família e Comunidade, Infância e Juventude, bem como na Assistência Médica e Terceira Idade. 

O Jardim de Infância da Santa Casa da Misericórdia e a Creche Madame Brouillard, localizados no Complexo Educativo das Florinhas da Neve, em Vila Real, são, há mais de 30 anos, locais de referência no que concerne à transmissão de valores educacionais direcionados para os mais novos. 

Com capacidade para 123 crianças, atualmente, o Jardim de Infância da Santa Casa da Misericórdia conta com 100  crianças distribuídas por quatro salas em funcionamento, com um intervalo de idades compreendido entre os três e os seis/sete anos de idade, altura de ingresso no 1º ciclo. Na creche, a situação é idêntica e, neste momento, agrega um total de 124 crianças distribuídas  pelas salas consoante a faixa etária. “Temos um total de 11 salas, o berçário, até aos 12 meses, quatro salas de aquisição da marcha até aos 24 meses e mais quatro salas dos 24 aos 36 meses”, salientou Isabel Gramaxo, diretora técnica, acrescentando que tanto na creche como no jardim de infância existem sempre listas de espera devido à excessiva procura deste serviço de qualidade, com alguma escassez na cidade de Vila Real. 

Quanto aos recursos humanos, o berçário conta com três educadoras para as três salas, na aquisição da marcha existe uma educadora por cada duas salas, e dos 24 aos 36 meses, uma educadora por sala, sendo que todas contam também com duas auxiliares. Acresce, ainda, a equipa de auxiliares de limpeza e desinfeção, portaria, cozinha e uma nutricionista responsável pelas ementas e supervisição do HCCP. 

 

ISABEL GRAMAXO

DIRETORA TÉCNICA

“Todas as refeições são feitas internamente. São excelentes e incluídas na mensalidade. Há muito controlo e não temos produtos congelados. Pode-se poupar em muita coisa, mas na alimentação não. Queremos que as nossas crianças usufruam de produtos e de uma alimentação de qualidade”, salientou Isabel Gramaxo.

Quando questionada sobre as atividades desenvolvidas no Jardim de Infância, Cristina Freitas, coordenadora pedagógica, revelou que, este ano, o projeto educativo é direcionado essencialmente para o exterior. “Era um projeto já pensado, mas a pandemia impulsionou-o. Temos bons espaços exteriores que estamos a requalificar e a melhorar, por forma a que as crianças possam explorar, aproveitar para crescer e aprender na natureza”. 

“O projeto ‘Brincar, Crescer, Aprender’, desdobra-se em dois: na Creche, o crescer com emoções, e no Jardim, com a parte da Jardinagem e Arte. Este ano, durante o inverno, pedimos galochas impermeáveis, com o objetivo de trazer grupinhos de crianças à rua para que possam sentir o frio, brincar e chapinhar na água. A natureza dá-nos tudo, cores, texturas, tamanhos e possibilita a brincadeira e aprendizagem com emoções”, reforçou Isabel Gramaxo, que fez questão de reforçar a importância do contacto com a natureza desde a tenra idade.

O dia a dia das crianças começa por volta das 07h30 da manhã e durante a permanência no Jardim de Infância podem usufruir de diferentes atividades, que abarcam diversos conteúdos, desde as expressões, atividades artísticas, conhecimento do mundo, entre outros, sempre de acordo com o plano mensal que poderá ser desdobrável para planos semanais. 

“A componente letiva é das 09h30 às 13h00 e inclui o apoio ao almoço. Faz parte da componente social onde a criança aprende a estar à mesa e a saber pegar nos talheres. Depois do almoço, os meninos mais pequeninos dormem, outros ficam em atividades livres”, mencionou Cristina Freitas, salientando que após o lanche existe um certo desfasamento, de modo a que as crianças não estejam, ao mesmo tempo, juntas no refeitório. Quer o Jardim quer a Creche encerram às 18h45, no entanto, para os pais que necessitam de mais tempo, existe o prolongamento de horário até às 19h30.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.