Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2022
©DR

“Diz-me o que precisas” ajuda famílias em Vila Real

Duas amigas de Vila Real uniram-se na iniciativa “Diz-me o que precisas” que recolhe donativos, desde alimentação, calçado a roupas, para ajudar famílias carenciadas e atingidas pelo desemprego devido à pandemia de covid-19.

-PUB-

A rede social Facebook serve de base para o projeto e a Junta de Freguesia de Mondrões, em Vila Real, cedeu temporariamente uma sala para guardar os donativos.

Raquel Silva, de 43 anos e funcionária no hospital de Vila Real, e Ana Santos, de 41 anos e esteticista, afirmaram hoje que a ideia de ajudar já era antiga, mas concretizou-se em fevereiro por causa de uma família e de um bebé que estava quase a nascer.
A avó, de 63 anos, que não quis dar o nome, explicou que foram “meses difíceis”, em que só ela trabalhava e o filho e a nora, grávida, ficaram sem trabalho por causa da pandemia de covid-19.

“Começou pelo desemprego. Eles não tinham trabalho, depois fechou tudo devido ao confinamento e eu queria comprar as coisas para o meu neto e não sabia como havia de fazer”, contou aos jornalistas.

A sexagenária disse que o seu ordenado de pouco mais de 600 euros era o único que entrava na casa onde vivem cinco pessoas. “A pandemia castigou e castigou mesmo”, referiu.

Confrontadas com a dificuldade desta família, Raquel e Ana uniram-se, pediram ajuda através das redes sociais e conseguiram arranjar desde o carrinho para o bebé, às fraldas e roupas.

Agora, a avó aponta para uma luz ao fundo do túnel e referiu que os pais da criança, que nasceu há cerca de um mês, vão começar a trabalhar em breve.

Raquel Silva referiu que depois de uma publicação naquela rede social, em que pediam doações para o bebé, apareceram “pessoas muito generosas” que fizeram “muitas doações” e este “foi o clique” que faltava para o concretizar da iniciativa “Diz-me o que precisas”.

“O importante, sem dúvida alguma, é ajudar as pessoas mais carenciadas, mas um dos nossos objetivos é também criar uma onda de reaproveitamento”, salientou Ana Santos.
Reaproveitamento de, por exemplo, equipamentos, de calçado, de roupa e brinquedos, permitindo às famílias uma maior poupança. “Queremos apenas ajudar”, frisou.

A pandemia trouxe desemprego e também dificuldades financeiras a algumas famílias que, confrontadas com esta nova realidade, têm vergonha de pedir ajuda.

Raquel Silva referiu que a iniciativa garante “o total anonimato”, tanto de quem dá como de quem recebe.

Disse ainda que o que é mais pedido pelas famílias é roupa, calçado e, ultimamente, também alimentação e produtos de higiene e adiantou que, neste momento, ajudam entre 10 a 15 famílias.

Com o crescimento desta “onda de solidariedade”, as duas amigas ambicionam, agora, com a criação de um espaço, uma espécie de loja social no centro da cidade, onde lhes fosse possível expor os materiais e facilitar a doação.

No distrito de Vila Real havia, na terça-feira, 98 casos ativos de infeção pelo novo coronavírus. O concelho de Vila Real registava três casos positivos.

De acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde, em Portugal, morreram 16.951 pessoas dos 831.645 casos de infeção confirmados desde o início da pandemia.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.