Segunda-feira, 16 de Maio de 2022

“Fardo” assinala o arranque do Festival Lua Cheia em Coêdo

É já amanhã, 20 de julho, às 22h00, que a arte “invade” a aldeia de Coêdo, em Vila Real, para seis noites consecutivas dedicadas ao teatro, ao cinema e às artes plásticas.

As máscaras de Lazarim vão receber o público naquele que é o primeiro dia do Festival Lua Cheia – Arte na Aldeia, num divertimento sobre a morte com o espetáculo “Fardo”. Após a récita, a descoberta destes elementos “quase mágicos” que são as máscaras prossegue com a inauguração da obra concebida pelo artista plástico Carlos No, “Tragos e Komos”, que procura explorar conceitos como território, fronteira, margem e exclusão. A “Edição Espacial” de 2021 vai, ainda, receber um espetáculo do Projeto Ruínas, uma coprodução Teatro O Bando e Teatrão e a exibição de um filme da atriz e realizadora libanesa Nadine Labaki. O Festival Lua Cheia – Arte na Aldeia termina no domingo, 25 de julho, com a peça “13”.

O Festival Lua Cheia – Arte na Aldeia é uma iniciativa organizada pela cooperativa cultural sem fins lucrativos Peripécia Teatro e que tem como objetivo colocar a arte em diálogo com o espaço e a comunidade rural. Com o propósito de aproximar os espectadores dos artistas, através da promoção da partilha e do diálogo, no final de cada espetáculo irá decorrer um momento de tertúlia moderado por um elemento da organização do festival. As récitas e a sessão de cinema apresentam-se entre terça-feira a domingo, às 22h00. Os bilhetes têm o custo de três euros e podem ser adquiridos online, em www.bol.pt, ou na bilheteira física, no local do festival. Para mais informações, consulte o site https://bit.ly/3xFWqji ou www.peripeciateatro.com.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

Homem encontrado morto em casa

Homem morre em colisão

PREMIUM

Um lar a que todos chamam casa

Homem morre afogado em Valdanta

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.