Sábado, 16 de Outubro de 2021
©DR

Festival Bragança ClassicFest abre com Orquestra de São Petersburgo

O festival Bragança ClassicFest começa sexta-feira com a Orquestra de Câmara de São Petersburgo, sob a direção do maestro Juri Gilbo.

-PUB-

O festival, sob a direção musical de Filipe Pinto-Ribeiro, insere-se numa vontade de “descentralização cultural”, explicou à agência Lusa o pianista.

Pinto-Ribeiro é solista no concerto de abertura, no Teatro Municipal, em que serão tocadas obras de Carlos Seixas, Mozart e Tchaikovsky.

Esta é, realça em comunicado Pinto-Ribeiro, a primeira vez que se organiza um festival de música clássica em Bragança, com intérpretes de “renome”.

Além da Orquestra de Câmara de São Petersburgo, o cartaz dos dois primeiros fins de semana de outubro inclui, entre outros, a violinista ucraniana Diana Tishchenko, o bandoneonista argentino Héctor Del Curto e a violinista canadiana Karen Gomyo.

A Orquestra de Câmara de São Petersburgo volta a tocar, no dia seguinte, “As Quatro Estações”, de Vivaldi, sendo solista Diana Tishchenko, que dá um recital com peças de Bach e Ysaÿe, no próximo domingo às 16:30 na Sé de Bragança.

O centenário do nascimento do compositor argentino Astor Piazzola é evocado no dia 08 de outubro, no Municipal de Bragança, com Héctor Del Curto, Karen Gomyo, Adrián Fioramonti (guitarra elétrica), Tiago Pinto-Ribeiro (contrabaixo), Rosa Maria Barrantes (piano) e Rubén Peloni (voz).

No dia 09 de outubro, no mesmo palco, é apresentada a ópera-tango de Astor Piazzolla, “María de Buemos Aires”, sob a direção musical de Héctor Del Curto, e protagonizada pela uruguaia Ana Karina Rossi.

O concerto de encerramento, no dia 10 de outubro, às 16:30, na Igreja de Santa Maria, é composto por obras de Dvořák e Schubert, interpretadas por Filipe Pinto-Ribeiro, David Castro-Balbi (violino), Francisca Fins (viola d’arco), Kyril Zlotnikov (violoncelo) e Tiago Pinto-Ribeiro.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.