Terça-feira, 31 de Janeiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Formar novos oleiros para preservar património da UNESCO

Falar de Bisalhães é falar de barro preto, pena é que sejam cada vez menos os oleiros a trabalhar o barro. A solução encontrada passa por dar formação e assim fazer “nascer” novos artesãos. A VTM foi conhecer os formandos do curso que arrancou no final de 2022 e alguns já têm ideias para o futuro

-PUB-

Uma pequena visita à aldeia de Bisalhães faz-nos perceber que já são poucos os oleiros e os que há são, na maioria, idosos. Atualmente, são seis os oleiros em atividade, o mais novo com 43 anos e o mais velho com 90.

Em tempos, esta era uma arte que passava de geração em geração, de pais para filhos, de avós para netos. Aliás, os oleiros que ainda estão no ativo são prova disso mesmo. Senão vejamos. Querubim da Rocha tem 82 anos. Tinha 10 quando começou a trabalhar com barro para ajudar o pai, também oleiro.

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.