Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

GNR investiga assaltos “frequentes” a igrejas

Depois de Chaves, este fim de semana foram assaltadas cinco igrejas no concelho de Montalegre. Na última madrugada foi a vez do concelho de Valpaços

Na madrugada de sábado para domingo foram registados cinco assaltos no concelho de Montalegre. De acordo com o Capitão Rego da GNR de Chaves, “que tenhamos conhecimento, estamos a falar de cinco furtos em igrejas, todos na mesma noite. O alerta foi dado ontem, no domingo. Poderão, eventualmente, ter acontecido em alturas diferentes mas parece-nos pouco provável, uma vez que houve preparativos para as celebrações e eucaristia da Páscoa”.

Ao que a VTM conseguiu apurar, as igrejas assaltadas localizam-se em Vilar de Perdizes, Gralhas, Donões, Covelães e Outeiro. Os danos “prendem-se, essencialmente, com o estroncamento das portas para entrar”.

No total “foram furtados 530 euros em moedas. Furtaram, ainda, umas colunas de som e dois (oratórios) da Sagrada Família, com cofre de esmolas. Percebe-se que andavam à procura de dinheiro”, frisou o Capitão.

Quanto a suspeitas, “quase de certeza que estaremos a falar do mesmo grupo. Há uns tempos, em Chaves, também registámos furtos em igrejas. Acreditamos que se trate de um grupo que, na mesma noite, quando sai, pratica furtos em vários locais. Esta última noite também se registaram vários furtos no concelho de Valpaços”, revelou.

De acordo com o Capitão, ainda que, para já, “não consigamos estabelecer um padrão” nem haja “suspeitos”, estes furtos têm ocorrido “de madrugada, há o estroncamento da porta e levam dinheiro. O objetivo principal é conseguir levar as moedas das esmolas. Levam outros objetos mas que contenham cofres, com dinheiro”.

Os assaltos “estão a ser investigados pelo Núcleo de Investigação Criminal (NIC) da GNR” e envolvem diferentes Postos Territoriais, “de vários concelhos”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.