Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Greve dos enfermeiros com 60% de adesão no distrito

Houve cirurgias adiadas e consultas de enfermagem que não se realizaram. A adesão é maior nos hospitais de Chaves e Lamego

PUB

Os enfermeiros estão hoje e amanhã em greve. No distrito de Vila Real, esta terça-feira, a adesão situa-se entre os 50 e os 60%, tendo o protesto levada ao adiamento de cirurgias nas unidades do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro. “Houve cirurgias adiadas no hospital de Chaves, algumas também no hospital de Vila Real, ficaram milhares de consultas de enfermagem por realizar”, adiantou à VTM João Pereira, coordenador distrital do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses. Nas unidades de Lamego e Chaves a adesão foi maior, sendo que neste último hospital “os serviços de cirurgia e medicina foram os mais afetados”.

A greve está relacionada com o descongelamento das progressões das carreiras da função pública de 2018, que segundo João Pereira não abrangeu os enfermeiros, “porque o governo entendeu não contar os pontos da avaliação de desempenho”. Nas negociações das últimas semanas, entre sindicato e governo, não houve acordo sobre algumas questões, como “o pagamento de retroativos a janeiro de 2018 para cerca de 30 mil enfermeiros, a contagem de tempo de serviço de enfermeiros que estão em vínculo precário, que sejam contados os pontos sobrantes dos enfermeiros especialistas que transitaram em 2019”. Segundo o representante sindical há também “milhares de enfermeiros no país, nomeadamente na ARS Norte, que nem sabem os pontos que têm na sua avaliação de desempenho”.

Os enfermeiros terminam o protesto de 4 dias, amanhã, em Lisboa, com uma manifestação em frente ao Ministério da Saúde.

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.