Quinta-feira, 26 de Maio de 2022

Há quase meio século a ajudar os mais necessitados

Com a nobre missão de ajudar os mais desfavorecidos, a Santa Casa da Misericórdia de Lamego nasceu a 20 de abril de 1519, ou seja, há 497 anos, por provisão do Rei D. Manuel I, como confraria de Irmãos incumbidos de cumprir na cidade as 14 obras de misericórdia.

Ao longo de quase meio século de vida, as suas valências têm aumentado consideravelmente, ajudando diariamente meio milhar de pessoas. 

Abrange todo o concelho de Lamego, onde atualmente existem várias valências, desde um Lar de Terceira Idade, Serviço de Apoio Domiciliário, Lar Infantil e Juvenil, Centro de Acolhimento Temporário, Cantina Social, equipa do Rendimento Social de Inserção (RSI), equipa da Rede Local de Intervenção Social (RLIS), Creche e Jardim Infantil. 

À frente da instituição desde 2014, o provedor António Marques fala da missão da instituição assente na função social que se complementa no apoio à população mais carenciada e desfavorecida do concelho. “Neste momento ajudamos diariamente cerca de 500 pessoas, através de pedidos que nos chegam das mais variadas formas, quer através da Segurança Social, quer das equipas do RSI e da RLIS, bem como através da autarquia e das forças de segurança”, refere este responsável, adiantando que em julho abriram um novo serviço de Atendimento e Acompanhamento Social. “Estabelecemos uma parceria com Segurança Social, com vista ao atendimento de todas as situações de carência ou de emergência social no concelho”.

Como uma das maiores empregadoras do concelho, com cerca de 120 pessoas, o provedor destaca que a instituição é uma das poucas que

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.