Terça-feira, 18 de Junho de 2024
No menu items!

IP lança concurso público para reabilitação da Linha do Douro em Foz Côa

A Infraestruturas de Portugal (IP) lançou hoje o concurso público para a reabilitação de um troço com cerca de sete quilómetros da Linha do Douro no concelho de Foz Côa, por 3,6 milhões de euros.

-PUB-

Em resposta à Lusa, a IP referiu que a intervenção vai centrar-se entre as localidades de Freixo de Numão, desde o quilómetro 163,1, até ao Pocinho, junto ao quilómetro 170,994, no concelho de Vila Nova de Foz Côa, distrito da Guarda.

A IP avançou que em causa está um investimento de 3,6 milhões de euros que vai incidir na requalificação integral da infraestrutura, para assegurar o reforço dos níveis de segurança, qualidade, fiabilidade e disponibilidade da infraestrutura.

“A melhoria dos níveis de conforto e comodidade para os utilizadores do transporte ferroviário também será tida em conta”, lê-se na mesma resposta.

A empreitada tem um prazo de execução de 300 dias e prevê a realização de trabalhos de substituição integral das travessas de madeira por travessas de betão bi-bloco, a substituição de carril, a transformação de barra curta em barra longa soldada e execução de órgãos de drenagem.

Segundo a IP, este investimento é realizado no âmbito do Plano de requalificação da Linha do Douro, cujo desenvolvimento será assegurado de forma faseada, estando já executada a intervenção no troço Caíde – Marco, obra desenvolvida no âmbito do Ferrovia 2020, e a reabilitação do troço Pinhão-Tua.

A Linha Ferroviária do Douro atualmente liga o Porto ao Pocinho (171,522 quilómetros) e há vários anos que é defendida a eletrificação da via, bem como a reabertura do troço entre o Pocinho (Vila Nova de Foz Côa) e Barca d’Alva (Figueira de Castelo Rodrigo), desativado em 1988.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS