Domingo, 19 de Setembro de 2021
©Márcia Fernandes

Música, dança e teatro unidas ao património transmontano

O projeto “Palavras Cruzadas” vai promover, entre maio e dezembro, espetáculos de música, teatro e dança em palcos improvisados em museus, monumentos ou jardins dos concelhos de Vila Real, Sabrosa e Bragança.

-PUB-

O projeto de programação em rede, hoje apresentado no jardim da Carreira, em Vila Real, foi desenvolvido em parceria pelos três municípios transmontanos e a Fundação da Casa de Mateus.

Envolve os teatros municipais de Vila Real e Bragança e o Espaço Miguel Torga (Sabrosa).

Eugénia Almeida, vereadora do pelouro da Cultura da Câmara de Vila Real, destacou o “trabalho em rede” resultante do projeto e a “valorização do património”.

“Vamos aos locais que têm, precisamente, simbolismo patrimonial, sejam eles jardins ou igrejas ou até o próprio palácio de Mateus. É uma candidatura multidisciplinar que abrange várias formas de arte”, salientou a autarca.

“Palavras Cruzadas” vai desdobrar-se entre os meses de maio e dezembro e cruza “a poesia e a palavra literária com outras disciplinas artísticas – a música, o teatro e a dança – numa digressão por locais, autores e temas do património material e imaterial da região e do mundo”.

Os espetáculos propostos incluem criações originais e adaptações em modo ‘site specific’ de espetáculos preexistentes, ou seja, adaptadas aos locais e ambientes em que vão ser representados.

Está prevista a realização de sete espetáculos originais e 17 adaptações, num total de 37 representações em 17 locais.

A sua apresentação será feita em itinerância pelos três concelhos envolvidos, decorrendo sobretudo em espaços exteriores associados a museus, monumentos, edifícios de interesse histórico, jardins ou adros de igrejas, numa “espécie de diálogo cosmopolita entre património e criação contemporânea”.

A programação inclui “textos originais e ecos de autores” como Camilo Castelo Branco, Miguel Torga, Aires Torres, A. M. Pires Cabral, António Cabral, Rui Pires Cabral ou Alvaro García de Zúñiga.

Envolve também criações de artistas e estruturas como a Lisbon Poetry Orchestra (com a participação de orquestras locais), André Gago com o Oniros Ensemble, Ana Deus e Alexandre Soares, Jorge Louraço (com Nuno Trocado e Catarina Lacerda), João Garcia Miguel (com Sara Ribeiro), Rui Spranger e Mariana Amorim (Esquiva Companhia de Dança), Adolfo Luxúria Canibal, Rui Oliveira, Sofia Saldanha, Ismael Calliano e as companhias Dançando com a Diferença e blablaLab, em coprodução com o Teatro da Rainha.

As comunidades locais serão protagonistas em alguns espetáculos, através de pesquisas e residências artísticas, mas também através do envolvimento direto em criações como “O Baile”, de Aldara Bizarro, e numa nova digressão do espetáculo em espaço público “Banda à Varanda”.

Segundo a organização, “Palavras Cruzadas” junta municípios e agentes culturais da região num “trabalho em rede que contribui para a sua afirmação como lugar de criatividade e relação com as artes”.

Em Vila Real, a programação cultural do teatro muda-se, por norma, para o espaço exterior durante o período de verão.

Este ano, esse período será também aproveitado para a realização de obras de manutenção daquele edifício, num investimento de cerca de 300 mil euros. O teatro municipal foi inaugurado em 2004.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.