Sábado, 13 de Agosto de 2022

“Nunca pensei vir a ser Chefe de Gabinete”

Nuno Azevedo tem formação em geografia e é, desde 2013, chefe de gabinete do município de Vila Pouca de Aguiar.

-PUB-

Um convite que acabou por ser “uma surpresa”, mas que aceitou “pelo contributo que poderia dar à minha terra”.

Antes de chegar aqui, como a maioria das pessoas, “não tinha noção do trabalho que este cargo dá”.

“Os meus dias são todos diferentes, dependendo da agenda. Por norma estou na câmara municipal, a não ser que haja alguma reunião fora. Acompanho as reuniões onde o presidente está, com os vereadores e entidades externas, e faço o acompanhamento da correspondência, porque sei quem está com determinado assunto e é mais fácil dar seguimento”, explica.

“Tento estar por dentro dos assuntos e do funcionamento da câmara municipal, procurando não deixar assuntos pendentes”, confessa, acrescentando que “tenho uma preocupação com as decisões tomadas procurando encaminhar para os respetivos serviços”.

Para Nuno, ser chefe de gabinete é um cargo de apoio incondicional ao presidente da Câmara Municipal, procurando realizar o trabalho de forma discreta, mas que potencie e valorize a atuação do executivo municipal. O objetivo é sermos eficazes até porque quanto melhor for o trabalho do chefe de gabinete, mais o executivo se evidencia”, refere.

“Penso que o presidente me escolheu devido à minha área de formação, experiência profissional e pelo facto de poder fazer um acompanhamento da implementação do Sistema Eletroprodutor do Tâmega, com grande incidência no concelho de Vila Pouca de Aguiar, até porque eu já acompanhava esse processo anteriormente, quer na UTAD, quer na EHATB (Empreendimentos Hidroelétricos do Alto Tâmega e Barroso)”, salientou.

Nuno Azevedo assegura, também, as relações com as juntas de freguesia “ao nível administrativo, técnico (em termos de protocolos, execução de obras, etc) e político”.

“Este cargo leva-nos a estar sempre disponíveis tendo em conta que se vive em função das pessoas e dos problemas do município, que podem surgir a qualquer hora. Não há como desligar”, refere.

Sem grandes ligações anteriores à vida política, Nuno Azevedo nunca pensou vir a ser chefe de gabinete. Contudo, quando chegar a hora de abandonar o cargo, “quero que se lembrem de mim como alguém que sempre primou por encontrar as melhores soluções, respeitando e considerando todas as pessoas, valorizando em cada atuação o concelho de Vila Pouca de Aguiar”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.