Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Murça e Bustelo entre os fogos “mais preocupantes”

O comandante nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, André Fernandes, disse hoje que Castelo Branco, Murça e Bustelo são três os incêndios “mais preocupantes”

-PUB-

André Fernandes, que falava no habitual encontro com os jornalistas, na sede da Autoridade nacional, pelas 20h00, referiu que “em todas estas ocorrências estão envolvidos 954 operacionais, 276 meios terrestres e 11 meios aéreos”, detalhou.

Face à situação operacional “estão em trânsito ou a chegar um total de mais seis grupos de combate oriundos dos corpos de bombeiros, perfazendo um reforço de mais 192 operacionais”.

MURÇA

De acordo com uma nota divulgada pela Câmara Municipal aguiarense, “o incêndio que se iniciou esta tarde no concelho de Murça e que avançou para o concelho de Vila Pouca de Aguiar tem já uma frente de vários quilómetros, ameaçando várias instalações agrícolas e, por proximidade, as aldeias de Reboredo e Vales”, alertou a autarquia.

“No que concerne a bombeiros, os únicos presentes são da corporação de Vila Pouca de Aguiar, tendo o comandante Hugo Silva solicitado reforços. Neste momento, o Presidente da Câmara Municipal, Prof. Alberto Machado, que também está presente, acabou de falar com o 1º CODIS Miguel Fonseca, reforçando a preocupação do comandante dos Bombeiros Aguiarenses, tendo-lhe sido referido pelo comandante distrital que haveria equipas em deslocação para Vila Pouca de Aguiar”.

O incêndio que deflagrou, esta tarde, pelas 16h35, na localidade de Cortinhas, concelho de Murça, mobiliza, neste momento, 130 operacionais apoiados por 42 viaturas. Já no concelho de Vila Pouca de Aguiar, na localidade de Vales, encontram-se 33 homens, apoiados por 10 viaturas.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.