Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
© DR

País regista novo máximo diário e ultrapassa os 30 mil casos

Portugal registou 30.829 novas infeções com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, um novo máximo desde o início da pandemia.

-PUB-

Segundo dados divulgados pela Direção-Geral da Saúde (DGS), nas últimas 24 horas, Portugal registou 30.829 novas infeções com o coronavírus SARS-CoV-2, um novo máximo desde o início da pandemia. Há a lamentar, ainda, mais 18 mortes associadas à covid-19.

O boletim epidemiológico diário da DGS regista uma redução do número de pessoas internadas, contabilizando hoje 1.024 internamentos, menos 10 do que na quinta-feira, 145 dos quais em unidades de cuidados intensivos (mais uma nas últimas 24 horas).

Os casos ativos voltaram a aumentar nas últimas 24 horas, totalizando 178.712, mais 20.288 do que na quinta-feira, e recuperaram da doença 10.523 pessoas, o que aumenta o total nacional de recuperados para 1.191.979.

Comparativamente com a situação registada em Portugal no mesmo dia há um ano, o país tem hoje mais 23.202 novos casos de infeção – contabilizaram-se 7.627 novos casos em 31 de dezembro de 2020 – e mais 106.216 casos ativos (há um ano totalizavam 72.496).

O número de internamentos é significativamente inferior, uma vez que há um ano estavam internadas 2.840 pessoas, 482 das quais em cuidados intensivos, havendo também menos óbitos (no mesmo dia de 2020, o boletim da DGS contabilizava 76 mortes nas 24 horas anteriores).

Porém, de acordo com as “linhas vermelhas”, o agravamento da pandemia deverá provocar maior pressão sobre o sistema de saúde e a mortalidade. Segundo o relatório semanal da DGS e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), na terça-feira os 151 doentes com covid-19 internados em cuidados intensivos representavam 59% do limiar crítico de 255 camas ocupadas, valor que demonstra uma “tendência estável” deste indicador.

As “linhas vermelhas” indicam ainda que, na quarta-feira, a mortalidade específica por covid-19 foi 21,1 mortes em 14 dias por um milhão de habitantes, o que corresponde a uma diminuição de 3% relativamente ao último relatório e indicando uma tendência estável.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.