Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022

Pedras Salgadas está na Madeira, mas não sabe se joga

O clube do concelho de Vila Pouca de Aguiar tem jogo marcado com o União da Madeira, para este domingo, mas ainda não é certo que a partida se vá realizar.

-PUB-

Juventude de Pedras Salgadas e União da Madeira têm jogo marcado para este domingo, na Madeira, mas a partida, a contar para a 10ª jornada da Série A do Campeonato de Portugal, pode não se realizar.

Em comunicado, o clube do concelho de Vila Pouca de Aguiar informou os seus sócios e simpatizantes de que se encontra na cidade do Funchal desde o dia de ontem (27/11), mas que não sabe se haverá jogo.

“Não temos qualquer comunicação oficial de que o jogo não se vai realizar. A FPF mantém o jogo no calendário e foi, entretanto, nomeada a equipa de arbitragem, apesar serem públicos os problemas com que a equipa madeirense se depara’’, lê-se na nota.

Em causa está a decisão do Tribunal do Funchal, a 23 de novembro, para a dissolução e encerramento do clube após proposta de insolvência, por parte do administrador.

Na mesma nota, o Pedras Salgadas refere que “ainda que a equipa local possa não comparecer, e o jogo não se realizar, a direção do clube fez deslocar a sua equipa sénior, cumprindo com as obrigações desportivas e evitando sanções disciplinares”, lembrando que esta é a quarta vez que o clube cumpre deslocações à ilha da Madeira, desde o início da temporada, o que implica “um grande esforço financeiro e também um espírito de sacrifício e disponibilidade de todos os elementos afetos à equipa sénior”.

Ainda assim, o Pedras Salgadas mostra-se “solidário com todos os elementos, técnicos, jogadores, funcionários do União da Madeira SAD, pela situação que estão a passar e que é do conhecimento público”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.