Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2022
© DR

Portugal é o 5º país mais atrativo para viver e trabalhar

Uma boa forma de avaliarmos a atratividade do nosso país é afastarmo-nos da “bolha” e recorrermos às opiniões de quem nos visita e de quem decide residir em Portugal

-PUB-

Estes, não estão tão enviesados por narrativas políticas nacionais e têm como termo de comparação os seus países de origem ou outros países que já visitaram ou onde já trabalharam. Ainda assim, as suas perspetivas serão sempre limitadas, porque, por um lado, podem beneficiar de apoios especiais aos estrangeiros (que os residentes portugueses não beneficiam) e, por outro, podem ter um tipo de experiência muito distinta dos portugueses em Portugal (quer pelo sítio onde residem, quer pelos locais que frequentam, pelos serviços que usufruem ou até pela sua capacidade financeira).

 

 

Assim, de acordo com os expatriados, Portugal é o 5.º país mais atrativo para viver e trabalhar. Entre os países europeus, Portugal lidera em 1.º lugar. A qualidade de vida é destacada pelos estrangeiros, que enaltecem as opções de lazer locais, o clima ensolarado e a segurança. A hospitalidade dos portugueses é também bastante valorizada, tornando a adaptação ao país mais fácil, bem como encontrar amigos e permitir que se sintam em casa. O baixo custo de vida (comparado com outros países desenvolvidos) coloca Portugal no 14.º lugar em 59 países nesta dimensão de análise. No entanto, quando as questões recaem sobre as oportunidades de carreira e economia, Portugal cai para o 36.º lugar, muito distante das economias mais desenvolvidas e dos países que assistem a rápidos crescimentos económicos.

Apesar dos bons resultados, Portugal revelou nos últimos resultados uma tendência de queda na classificação na maior parte das dimensões de análise (piorou a classificação em três das 4 dimensões, bem como em 12 das 13 sub-dimensões avaliadas). Estas são as conclusões do estudo Expat Insider 2021, da InterNations, que entrevistou mais de 12.000 expatriados, questionando-os sobre o seu nível de satisfação acerca do país que os acolheu. Taiwan lidera a edição deste ano do estudo (repetindo o resultado de há 2 anos), e em último lugar está o Kuwait.

Num contexto de massificação do trabalho remoto, este estudo revela bons sinais para que o país possa atrair talento para residir em Portugal, ainda que revele fragilidades na dimensão económica e profissional, colocando barreiras a quem pretende desenvolver a sua carreira localmente (e não apenas remotamente, ao serviço de empresas sediadas no estrangeiro). Ao atrair recursos altamente qualificados e com capacidade financeira, conseguirá que uma parte destes se mantenham por vários anos, formem família em Portugal, desenvolvam negócios no nosso país, criem emprego e, assim, contribuam para a dinamização económica. A busca por uma melhor qualidade de vida e pela reconhecida hospitalidade portuguesa por parte dos estrangeiros será um importante impulsionador para o tão desejado e necessário crescimento económico? Ou desperdiçaremos (mais) esta oportunidade?

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.