Sexta-feira, 16 de Abril de 2021
© Elsa Nibra

Quando o carteiro leva mais que correspondência

A pandemia de Covid-19 abrandou a atividade postal do país, mas os carteiros não ficaram em casa. Fazem quilómetros por dia e sabem o nome de quase todos aqueles que se cruzam no seu caminho, principalmente no meio rural, onde são, muitas vezes, a única visita de quem mora sozinho.

O dia começa bem cedo. Por volta das 4h30 começam a chegar os camiões ao CDP (Centro de Distribuição Postal) de Vila Real. Às 8h30, quando lá chegámos, já Paulo Martins tinha a sua carrinha carregada e pronta a seguir viagem, rumo à zona industrial.

Pelo caminho, Paulo confessou à VTM que é carteiro há apenas quatro anos, mas que trabalha nos correios há mais de 20.

“Trabalhei na central, em Vila Nova, durante quase 25 anos. Depois o serviço que era ali concentrado passou para Mirandela e foi preciso tomar opções

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.