Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
©RN

“Se houver uma maioria à esquerda seremos parte da solução”

A afirmação foi proferida por Rui Tavares, candidato do Livre pelo círculo de Lisboa, à margem de uma visita a Vila Real, para apoiar o candidato pelo círculo daquele distrito transmontano.

-PUB-

O fundador do partido Livre, e candidato pelo círculo de Lisboa às próximas legislativas, esteve esta sexta-feira em Vila Real.

Questionado sobre o debate entre António Costa e Rui Rio, Rui Tavares frisou que o país não tem de viver num dilema entre o bloco central e a maioria absoluta e que há mais soluções.

“O debate comprova que não vale a pena estar a fazer pressão sobre o eleitorado em Portugal. Não temos que viver, em Portugal, num dilema entre o bloco central e a maioria absoluta, felizmente o país é mais plural do que isso e há soluções”, afirma, acrescentando que “para nós, a questão da governabilidade é muito simples: se houver uma maioria à esquerda seremos parte da solução, se houver uma maioria à direita seremos parte da oposição”.

O Livre já mostrou ser defensor da regionalização. Sobre esse assunto, Rui Tavares deixa uma questão ao eleitorado. “Queremos uma regionalização decidida por uma maioria absoluta, decidida por um bloco central entre PS e PSD, ou pelo próximo parlamento?”.

A regionalização foi também um dos temas abordados pelo cabeça de lista do Livre pelo círculo eleitoral de Vila Real. João Luís Silva, de 57 anos, empresário e gestor, é natural de Chaves, mas vive em Lisboa, e mostrou, ainda, estar preocupado com o despovoamento e o envelhecimento da população.

Hoje, é a vez do candidato pelo círculo de Bragança, Maxim Jaffe, sair à rua. A partir das 14h00, a comitiva do Livre, embora sem o seu fundador presente, vai percorrer as ruas da cidade de Bragança.

Notícia desenvolvida na edição de 20 de janeiro de 2022

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.