Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

Taxa de retenção quase nula

No ano letivo transato, apenas dois alunos não passaram de ano no Agrupamento de Escolas Miguel Torga, em Sabrosa, colocando a taxa de retenção muito próxima do zero.

“Continuamos com níveis muito perto do zero e é algo que queremos manter. É um dos nossos objetivos, manter as taxas de insucesso e abandono escolar muito baixas”, refere o diretor Adelino Tomé, acrescentando que “não perdemos alunos antes de concluírem os percursos formativos, que é uma das nossas preocupações. Queremos que saiam no final e não a meio”.

Com quase 600 alunos, divididos por quatro estabelecimentos de ensino, o agrupamento dá resposta desde o pré-escolar ao ensino secundário, sendo que o principal desafio “é ter ofertas que cativem os jovens”, fazendo com que “não tenham de sair do concelho para estudar”.

Para isso, além do ensino regular, “o ensino profissional tem sido uma aposta ganha”, sendo que no próximo ano letivo irá abrir o de Técnico de Turismo. “Estamos inseridos na região do Douro, onde há uma grande procura de profissionais nesta área. Notamos, por parte das empresas, que há uma grande vontade de ter mais profissionais disponíveis”, confessa.

“O objetivo é que no final do curso tenham emprego que lhes permita fixarem-se na região” e, por isso, “temos de ir ao encontro das necessidades que a região tem, porque se assim não for, os jovens acabam por ir embora”.

E para quem quiser prosseguir estudos, o agrupamento tem um protocolo com o Instituto Politécnico de Bragança (IPB). “Há um determinado número de vagas destinadas a quem frequenta o ensino profissional, que facilita o acesso aos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP)”.

Para o futuro, os objetivos passam por manter a taxa de retenção zero, aumentar a atratividade do agrupamento e conservar o selo de Garantia da Qualidade da Educação e Formação Profissional (EQAVET).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.