Terça-feira, 17 de Maio de 2022

TeleTrade: Christine Lagarde “veste vestido” Dovish que soa alarme

CONTEÚDO PATROCINADO

O Conselho do Banco Central Europeu (BCE) parece ter dado um grande presente financeiro aos mercados e a todas as comunidades empresariais antes da Páscoa, segundo o analista TeleTrade Ilya Frolov (https://www.teletrade.eu/pt). Enormes efeitos negativos das ações militares na Ucrânia para a economia, interrupções no comércio, escassez de recursos e aumento dos preços da energia finalmente convenceram o BCE de que os dados que recebeu desde a sua última reunião “reforçam a sua expectativa de que as compras líquidas de ativos sob o seu programa de compra de ativos ( APP) deverá ser concluído no terceiro trimestre”.

Assim, o regulador europeu recusa-se a seguir a rápida marcha do Federal Reserve (Fed) dos EUA que vai lançar a sua redução de longo prazo da oferta de dinheiro em maio, ou os outros caminhos tomados por alguns outros bancos centrais no Canadá e na Nova Zelândia aumentar as taxas de juros em 0,5%.

Em contraste, o BCE dovish continuará a alimentar o sistema financeiro continental até meados do verão, uma vez que as compras líquidas residuais mensais no âmbito da APP irão ascender a 40 mil milhões de euros em abril, 30 mil milhões de euros em maio e 20 mil milhões de euros em junho. E, claro, quaisquer alterações nas principais taxas de juros do BCE, mesmo ajustes decimais, ocorreriam apenas “algum tempo após o término das compras líquidas do Conselho do BCE sob o APP” e “serão graduais”.

Os procedimentos de reinvestimento de rotina para os pagamentos de principal de títulos anteriormente adquiridos no chamado programa de compra emergencial pandêmica (PEPP) podem durar “até pelo menos o final de 2024”. Além disso, no caso de qualquer “fragmentação de mercado” renovada relacionada à pandemia, os programas de investimento sob o PEPP podem ser “ajustados de forma flexível ao longo do tempo, classes de ativos e jurisdições a qualquer momento”.

Em poucas palavras, ainda não foram dados passos decisivos, enquanto “opcionalidade, gradualismo e flexibilidade” ainda é um lema oficial da política monetária europeia, acredita o analista da TeleTrade.

Talvez seja hora de concordar com o The Telegraph, já que o jornal britânico escreveu que a chefe do BCE, Christine Lagarde, “recusa-se a conter a crescente inflação da zona do euro”. De fato, a presidente do regulador europeu disse a repórteres após a reunião que “os riscos de alta para as perspectivas de inflação” apenas “se intensificaram, especialmente no curto prazo”, enquanto “as medidas de inflação subjacente subiram para níveis acima de 2% nos últimos meses”.

Essas palavras vieram logo após a divulgação dos preços médios ao consumidor na zona do euro, que atingiram um recorde histórico de 7,5%, muito acima da meta de inflação de 2% do BCE. “Embora várias medidas de expectativas de inflação de longo prazo derivadas dos mercados financeiros e de pesquisas de especialistas estejam em torno de 2%, os sinais iniciais de revisões acima da meta nessas medidas justificam um monitoramento próximo”, acrescentou.

Com grande parte da inflação recente sendo causada por um choque externo de energia, o crescimento dos preços provavelmente cairá por conta própria ao longo do tempo, especialmente porque o crescimento dos salários, que geralmente é uma pré-condição para uma inflação duradoura, permanece baixo, ou seja, um breve dos argumentos de Christine Lagarde.

Esse tipo de política de “olho cego” é altamente promissor e estimulante para a economia, mas ao mesmo tempo bastante arriscado, pois a combinação de uma possível queda na produção pode nos levar a um período de estagflação. No entanto, essas formas excessivas de liberdade para fluxos de caixa europeus e acesso bancário ao dinheiro emprestado do banco central não podem produzir qualquer outro efeito, exceto agradar os mercados.

Isenção de responsabilidade:
As análises e opiniões aqui fornecidas destinam-se exclusivamente a fins informativos e educacionais e não representam uma recomendação ou conselho de investimento da TeleTrade.

Ilya Frolov, Chefe de Gestão de Portfólio, TeleTrade

 

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.