Quinta-feira, 26 de Maio de 2022

Uma Associação que renasceu e quer crescer

Durante anos esteve praticamente parada, “um pouco de costas voltadas para a população e vice-versa”, mas em 2014, altura em que viu ser eleita uma nova direção, a Associação Cultural, Desportiva e Recreativa de Balteiro, em Ribeira de Pena, ganhou nova vida e tem agora um plano de atividades mais ambicioso e “aberto a toda a gente”.

“Andamos durante uns anos a tentar que a direção cessante autorizasse que grande parte da população se fizesse sócia e se regularizasse a situação, o que não foi possível até que em janeiro de 2013 foi-me entregue a chave da sede, sem qualquer papel, sem contabilidade, sem nada, apenas e só a chave”, recordou José Manuel Lopes, atual presidente da direção da Associação de Balteiro que, depois de um período de gestão garantida por uma comissão administrativa, viu finalmente a sua situação estabilizar em agosto do ano passado, com a realização do processo eleitoral.

Contando atualmente com cerca de 70 sócios, “que pagam as suas cotas”, a coletividade ribeirapenense está agora “virada para o povo” e “aberta a toda a gente, seja da terra ou não”. “Porque é assim que vemos o associativismo”, frisou o dirigente associativo.

Mantendo algumas atividades que já se concretizavam, como a comemoração do Carnaval (em conjunto com a Associação de Santa marinha), as festas da aldeia (realizadas em agosto, em parceria com uma comissão de festas), o convívio de São Martinho e o Festival de Folclore (que já para a sua 19ª edição), entre outras, a nova direção apostou em novas iniciativas. “No ano passado começamos com a organização de uma montaria ao javali, na qual tivemos à volta de 90 armas, e cerca de 140 pessoas a almoçar, e fizemos um jantar de fim de ano com todos os associados, que é para manter”, explicou José Manuel Lopes.

Uma outra organização que estava há muito esquecida e que a associação de Balteiro quer agora reativar é a realização das corridas de carrinhos de rolamentos, uma iniciativa para a qual espera contar com o apoio da Fundação Inatel, instituição na qual a coletividade vai voltar a inscrever-se.

Tal como acontece com a maior parte das coletividades, o dinamismo daquela associação é garantido graças a uma ginástica financeira apertada das suas “curtas” receitas. Só assim é possível, segundo o presidente, manter ainda ativos um Rancho Folclórico Juvenil, um grupo de bombos e um grupo de cantos populares, para os quais conta com o apoio da Câmara Municipal de Ribeira de Pena e com os rendimentos de um pequeno bar na sede, que dá para pagar algumas das despesas.

 

Rancho nunca deixou de dançar

 

Apesar de durante vários anos a coletividade ter estado um pouco adormecida, o Rancho Folclórico Juvenil de Balteiro nunca perdeu a vitalidade, fazendo dezenas de atuações por ano.

Ana Martins, que está no rancho desde a sua fundação e atualmente é responsável pela coordenação do grupo, contabilizou que só este ano, entre de junho a agosto, o grupo teve “27 saídas”.

Contando com cerca de 40 elementos, o mais jovem com cinco anos e os mais velhos com cerca de 30, o rancho juvenil tem mais de duas décadas de existência e, como acontece em outras coletividades, é movido pela “paixão” dos seus integrantes. “Tem que se gostar, senão não se consegue”, explicou a responsável lamentando que atualmente “não há muitos jovens que queiram participar neste tipo de atividades” porque têm outros interesses ou até alguns complexos em vestir os trajes tradicionais.

Não é o caso de Ana Martins, que entrou no rancho aquando da sua fundação, juntamente com o seu filho mais velho, na altura com cinco anos, e que também viu o mais novo crescer “nos palcos” das atuações. “O meu filho mais novo, que tem agora 18 anos, nasceu dia 20 de julho e em junho ainda tive uma atuação no Porto. Andou sempre comigo nas atuações, nasceu praticamente no rancho”, recordou a coordenadora que até tem como toque do telemóvel a música tradicional do rancho.

Com o apoio da autarquia, que garante o transporte, o grupo conta hoje com jovens de todo o concelho que, todas as sextas-feiras, se juntam para os ensaios. “Sem isso não tínhamos possibilidade de manter o rancho ativo, porque localmente não temos pessoas suficientes, gente nova para dançar ou instrumentistas”, explicou José Manuel Lopes.

O presidente garantiu que a Associação de Balteiro tem a porta aberta para “quem quiser entrar, seja da terra ou não”. “Quem está numa associação não pode ver a cor política, deve defender, acima de tudo, o que é a associação, sendo as suas preferências pessoais em termos políticos, religiosos ou futebolísticos secundárias”, frisou.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.