Domingo, 29 de Maio de 2022

Dinamizar a freguesia e promover o convívio

É comum nos dias de hoje falar-se da crise do associativismo e do distanciamento das pessoas da vida em comunidade. Mesmo assim ainda surgem pessoas com iniciativa, e é graças a essa iniciativa que continuam a nascer coletividades, como é o caso da A.C.R.J.S. – Associação Cultural e Recreativa da Juventude de Sedielos.

Como o próprio nome indica, a Associação Cultural e Recreativa da Juventude de Sedielos é uma associação de cariz cultural e recreativa, sem fins lucrativos, que nasceu no dia 15 de março de 2012. O grupo surgiu com o objetivo de promover, apoiar e dinamizar atividades de envolvência social que sejam uma mais-valia para a freguesia. Foi também uma forma de apelar a uma participação mais direta da população e mobilizar não só as pessoas que vivem em Sedielos como também as que têm raízes aqui e que estão emigradas, para que contribuam para o desenvolvimento desta freguesia, do concelho do Peso da Régua.

Apesar de ainda não ter completado quatro anos de vida, o trabalho que já operacionalizou no terreno não se pode contar apenas pelos dedos das mãos, já que as iniciativas são uma constante ao longo de todo o ano.

Com sede na antiga Escola Primária do Carvalho, espaço cedido pela Câmara Municipal do Peso da Régua, a associação tem contado com vários apoios a nível financeiro, tanto da Câmara como da Junta de Freguesia.

O mentor da ideia para se avançar com a criação desta associação foi Marco Teixeira, o anterior presidente, que pretendia dinamizar e “dar vida” à freguesia. Da primeira equipa que fundou a associação apenas sete pessoas se mantêm na atual equipa, os restantes membros entraram em novembro do ano passado.

Hoje a associação está mais viva do que nunca, prova disso são as várias iniciativas que tem vindo a desenvolver, que vão desde a organização de viagens, passeios, caminhadas, torneios de futebol e futsal, aulas de aeróbica, a jantares e almoços de convívio. Iniciativas que têm como principais objetivos juntar a população e promover o convívio entre as várias gerações.

A associação tem como principais raios de ação a cidadania e a participação ativa, a exploração do potencial da freguesia e da sua juventude, a promoção do espírito voluntário e associativo, a criação de oportunidade para um maior desenvolvimento e intervenção social, o desenvolvimento de atividades de âmbito cultural e desportivo, o reconhecimento do associativismo como peça importante para a identidade local, a resposta às necessidades de ocupação de tempos livres por parte da juventude e a criação de dinâmicas que fortalecem a solidariedade intergeracional.

O presidente, Pedro Pereira, conta que nos dias de hoje, a associação acolhe pessoas de todas as idades, e é constituída por cerca de 98 sócios e 21 pessoas na estrutura. “Andamos nisto com muito gosto, desde o mais novo ao mais velho tentamos dinamizar a freguesia. Além das 21 pessoas da estrutura, muitas estão no estrangeiro, outras estão a trabalhar”.

As pessoas que constituem a associação também têm profissões de áreas muito variadas como a construção civil, enfermagem ou a agricultura.

Ainda com poucos anos de existência, a principal dificuldade que a associação tem neste momento passa pela falta de adesão, por parte dos habitantes da freguesia, às atividades que promovem “chegamos a ter mais adesão por parte de pessoas que vivem fora da freguesia do que gente da própria freguesia”, explicou Pedro Pereira. “Por esta razão a atual ambição do grupo passa por conseguir com que as pessoas adiram mais às iniciativas promovidas pela associação”, acrescentou.

Para o futuro, o presidente da associação espera que a A.C.R.J.S seja reconhecida como uma entidade que está a trabalhar para promover a freguesia e pretende continuar a executar as atividades que estão programadas para o longo do ano.

O grande objetivo da associação para os próximos tempos, passa por criar uma equipa da associação para participar nas futuras corridas de carrinhos de rolamentos que vão organizar.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.