Quinta-feira, 20 de Junho de 2024
No menu items!

Viticultores preocupados com venda de uvas na próxima vindima

A Federação Renovação do Douro alertou que há viticultores que poderão não conseguir vender as uvas na vindima, salientando a “boa hora” em que se restringiu a entrada a granel de uvas, mostos e vinhos na região.

-PUB-

Na semana passada, a associação que representa a produção na Região Demarcada do Douro foi ouvida na Comissão de Agricultura e Pescas, onde alertou para dificuldades previstas para a vindima 2024 e para o processo de restauração da Casa do Douro como associação pública de inscrição obrigatória.

No Douro, a última vindima ficou marcada por alguma agitação social porque, invocando dificuldades na venda de vinho e excesso de ‘stocks’, as empresas não compraram ou compraram uvas em menos quantidade aos produtores que, por sua vez, se queixaram de entregar as uvas a “preços muito reduzidos”, um problema que se teme que se intensifique.

“Há viticultores que já estão a receber cartas, por parte de operadores, a avisar que não querem comprar uvas na vindima”
Rui Paredes, Federação Renovação Douro

Rui Paredes disse que há viticultores que já estão a receber cartas, por parte de operadores, a avisar que não querem comprar uvas na vindima.
Numa das cartas, datada de abril e a que a Lusa teve acesso, a empresa informa o produtor de que não poderá adquirir as suas uvas devido ao excesso de vinhos em armazém.

“Eles [viticultores] estão num processo de investimento porque têm que fazer todos os tratamentos e a chegar a um ponto que não sabem onde vão colocar as uvas. Esta é a realidade neste momento”, afirmou.

O Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) já tinha anunciado que deliberou a proibição de entrada a granel no Douro de uvas, mostos, vinhos e outros produtos vínicos ou afins que não estejam abrangidos pelo Estatuto das Denominações de Origem Protegidas (DOP) e Indicação Geográfica Protegida (IGP) da Região Demarcada do Douro”.

A medida entrou em vigor no dia de 18 de maio. “Esta era uma das coisas que tínhamos em cima da mesa e de que vínhamos a falar há mais de um ano. Foi-nos sempre dito, de alguma forma, que isso não era possível porque chocava com o movimento de pessoas e bens da União Europeia. Mas, em boa hora foi possível e vamos perceber porque só foi agora e não pôde ser o ano passado ou há dois anos”, sustentou.

Esta era, na sua opinião, uma medida “fundamental” porque o movimento de entrada de vinhos de fora da região estava a empurrar os preços para baixo”.

Outra medida defendida pela produção é a destilação de vinho em excesso para aguardente vínica destinada à produção de vinho do Porto ou moscatel.

A região consome aguardente correspondente a cerca de 240 mil pipas de vinho.
“Uma forma de minorarmos a questão dos excessos era reduzirmos estes excessos em cerca de 50 mil pipas. Este é o valor que o comércio diz que há em excesso na região e nós transformaríamos isto em aguardente que seria adicionada aos vinhos do Porto e aos moscatéis do Douro”, justificou.

A vindima em verde é uma outra medida defendida pela produção porque é “uma forma de remunerar diretamente o viticultor” e que retira uvas e, consequentemente, vinho do mercado.

“Nada disto em separado resolve o problema, mas tudo junto pode efetivamente resolver o problema que nós temos no Douro”, afirmou Rui Paredes.

A restauração da Casa do Douro como associação pública de inscrição obrigatória foi aprovada em janeiro, no parlamento, com os votos a favor do PS, PCP, BE e do então deputado social-democrata Soveral de Andrade.

Desde 28 de abril que está a contar o prazo para a preparação do ato eleitoral para o organismo, depois da publicação da nova lei em Diário da República.

Em 2015, a Federação Renovação do Douro ganhou o concurso para a gestão privada da organização e detém, ainda, a sede da instituição e o direito de usar o nome de “Casa do Douro”.

Rui Paredes referiu que se está a agravar a situação financeira da federação, “que não tem qualquer tipo de financiamento”.

“O processo da Casa do Douro ou avança ou temos que arranjar uma solução porque não é possível continuar com esta situação de rotura financeira que temos”, sublinhou.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS