Segunda-feira, 18 de Outubro de 2021
©Arquivo/VTM

3 mil hectares ardidos em oito dias

O mês de março tem sido um inferno no concelho de Montalegre, com o registo de vários incêndios rurais, com várias ignições por dia.

-PUB-

A época é de queimas e queimadas e, por vezes, por negligência, acidentes acontecem, mas, para David Teixeira, comandante dos Bombeiros Voluntários de Montalegre, o que está a acontecer no concelho, na sua maioria, “são ignições em locais em que se tem a noção que vai dar prejuízo, muitas vezes perto de aldeias e em que a intenção é queimar”.

Isto é inadmissível e inaceitável, num momento em que alertamos as populações para o risco de incêndio

“Quando se chega fogo a um pinhal ou a um eucaliptal às 18h é para arder, quando se chega fogo a um pinhal às 2h da manhã, onde está prevista a mina de lítio, é para que arda. Não há negligência

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.