Quarta-feira, 5 de Outubro de 2022

Acampamento e arruada contra mina e alerta para falta de água

Um acampamento que termina com uma arruada no dia 16 de agosto, em Boticas, é uma iniciativa de protesto contra a exploração de lítio e de alerta contra a falta de água, foi hoje anunciado.

-PUB-

“É uma forma de protesto, de sensibilizar as pessoas e de dar a conhecer a nossa luta. E este é um bom ano para isso porque estamos a atravessar uma seca extrema, estamos com falta de água e a extração mineira só vai piorar esse problema”, afirmou à agência Lusa Nelson Gomes, da associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso.

Segundo referiu, esta aldeia do distrito de Vila Real “nunca teve problemas de água e este ano está com falta de água”, referindo que, em alguns dias, foi já necessário fechar o depósito em alguns períodos e que está a ser reabastecido.

Nelson Gomes salientou que a extração mineira é uma atividade muito consumidora de água e lembrou que a empresa Savannah Resources quer explorar, precisamente, uma mina de lítio neste território.

“As pessoas ganharam a consciência de que têm de preservar a pouca água que ainda temos e não faz sentido uma empresa vir aqui abrir uma mina que vai gastar mais água do que aquela que gasta o concelho de Boticas durante o ano”, afirmou o responsável.

Neste acampamento, que começa na sexta-feira na aldeia de Covas do Barroso, são esperadas entre 100 a 150 pessoas por dia, provenientes de todo o país e também do estrangeiro, como da Alemanha e do México.

Ao longo do fim de semana prolongado realizar-se-ão workshops, peças de teatro, jogos populares e haverá conversas sobre o ambiente e a exploração mineira.

“Em Covas do Barroso, nós que sempre vivemos de forma sustentável, recusamos ser sacrificados para que outros possam manter o seu consumismo intensivo”, refere a associação que luta contra a mina de lítio.

A iniciativa junta várias associações e movimentos contra as minas e termina com uma arruada pelas ruas de Boticas, onde será lido um manifesto contra a extração mineira.

A Savannah Resources informou, no início de julho, que foi notificada pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) para reformular o projeto, antes da emissão da Declaração de Impacte Ambiental (DIA).

O EIA da mina do Barroso esteve em consulta pública entre abril e julho do ano passado.

Um ano depois, a Savannah revelou em comunicado que tem, agora, seis meses para “trabalhar, em colaboração com a APA, no sentido de otimizar ainda mais certos aspetos físicos do projeto e considerações ambientais, ecológicas e socioeconómicas associadas, e reenviá-los para consideração”.

Após a apresentação e confirmação da aceitação das medidas de otimização, a APA tem um prazo até 50 dias úteis para proceder à sua avaliação e emitir uma DIA, prevendo-se, por isso, que a decisão seja tomada até março de 2023.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.