Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Catar – Um país no fundo da tabela da liberdade e democracia

Iniciou no dia 20 de novembro o Mundial 2022 de futebol no Catar. Trata-se de uma das mais polémicas competições desportivas internacionais, devido à violação das mais diversas liberdades por parte do emirado.

PUB

A polémica adensou-se quando foi divulgado ao mundo o pesadelo dos trabalhadores que transformaram o megalómano projeto em realidade. Uma investigação do jornal “The Guardian” revelou que mais de 6.500 migrantes perderam a vida no país nos últimos dez anos. Números alarmantes e incompreensíveis, mas a realidade pode ser ainda mais negra, isto porque os números apenas incluem migrantes de cinco países asiáticos (Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka), faltando comunidades significativas como as de trabalhadores provenientes das Filipinas ou do Quénia.

A “The Economist”, no estudo “Democracy Index”, define o regime do Catar como ‘autoritário’ (114.º no ranking que inclui 167 países), sendo um país sem partidos políticos e sem liberdade de oposição. Trata-se de um emirado absolutista e hereditário, comandado pela Casa de Thani desde meados do século XIX.

Na liberdade de imprensa (“World Press Freedom Index”, da organização Repórteres sem Fronteiras) o Catar é 119.º em 180 países, na liberdade académica (“Academic Freedom Index”, da Friedrich-Alexander-Universität – Institute of Political Science) é 153.º em 177 países, nas liberdades civis (“Freedom in the World 2022 – Civil Liberties”, da Freedom House) é 180.º em 210 países e na liberdade económica (“Index of Economic Freedom 2022”, da The Heritage Foundation) é 44.º em 177 países. O único destaque menos negativo é na liberdade económica, sendo que a posição do Catar, 44ª no ranking, é relativamente próxima da portuguesa (31.º).

Entre a hipocrisia de alguns e o silenciamento de outros, este Mundial poderá servir, pelo menos, para valorizarmos e defendermos ainda mais os valores da liberdade e da democracia, num planeta onde mais de 40% da população vive em regimes não democráticos (autoritários ou híbridos), que corresponde a mais de 3 mil milhões de pessoas, de acordo com o Relatório Global sobre o Estado da Democracia (IDEA).

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.