Domingo, 22 de Maio de 2022

Com a idade os nossos olhos necessitam de mais cuidados

Os problemas de visão podem surgir em qualquer idade, contudo, são mais comuns em pessoas idosas, pelo que há necessidade de se estar mais atento às alterações visuais

Em qualquer idade, uma boa visão permite uma melhor qualidade de vida, mas na idade sénior ela torna-se ainda mais fundamental pois pode evitar, por exemplo, quedas que podem acarretar problemas mais graves.

Com o passar dos anos, a visão pode sofrer alterações irreversíveis com doenças como o glaucoma ou a degenerescência macular relacionada com a idade que, quando diagnosticadas atempadamente, permite minimizar os seus efeitos e a sua progressão.

Outros problemas frequentes nos idosos podem ser induzidos por alterações da saúde geral como a diabetes, a hipertensão arterial ou a doença cardiovascular. Por outro lado, a catarata ou o olho seco são alterações oculares observadas em pessoas idosas, estando ou não associadas a doenças sistémicas.

À conversa com Tito Encarnação, optometrista da Realvisão, percebemos que “a prevenção e o acompanhamento são essenciais”.

“Com o avançar da idade começam a surgir alterações não só a nível do cristalino (onde surge a catarata), mas principalmente a nível da retina”, frisa, destacando que “o diagnóstico é de maior precisão quando se avalia a retina com um exame de OCT (Tomografia de Coerência Ótica). No concelho de Vila Real somos dos poucos prestadores de cuidados visuais a disponibilizar esse exame. Para além do OCT, conseguimos dispor de outros exames de diagnóstico como a análise dos campos visuais por perimetria, medição da pressão ocular, topografia da córnea, entre outros”.

A retinopatia diabética (RD) é uma das manifestações da diabetes com consequências mais graves. “Segundo o Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes de 2019, dos internamentos cujo diagnóstico principal é a diabetes, 83% apresentavam manifestações oftalmológicas da doença, dados de 2018. Nestes casos, o rastreio é fundamental e a Realvisão tem capacidade para o fazer, entregando um relatório ao paciente com o objetivo de dar a conhecer ao seu médico de família o estado evolutivo da sua RD”.

Tito Encarnação faz questão de vincar que “na Realvisão, aconselhamos as melhores soluções de acordo com as necessidades visuais de quem nos procura. Temos a preocupação de prestar serviços de qualidade para que as pessoas nos vejam como uma referência no que diz respeito aos cuidados primários da visão”.

MAIS CUIDADOS, MELHOR VISÃO

Segundo o optometrista, as pessoas preocupam-se cada vez mais com a sua visão. “Cerca de 85% da informação que chega ao cérebro é pela via visual. Neste período de pandemia, as pessoas tomaram uma maior consciência da dependência das capacidades visuais para desempenharem as tarefas diárias, pois o sentido da visão foi exposto a grandes períodos de esforço, surgindo algumas debilidades e dificuldades visuais”.

“A nossa preocupação enquanto profissionais da saúde visual é transmitir às pessoas que temos um conjunto de soluções que podem ir ao encontro dos seus problemas visuais, com a finalidade de os corrigir e proporcionar uma visão melhor e mais confortável”, refere Tito Encarnação, acrescentando que “o optometrista deteta e compensa os problemas de visão de origem não patológica. Quando nos deparamos com alterações da saúde ocular, encaminhamos para o profissional de saúde com competências para a sua resolução”.

PREVENIR DESDE A INFÂNCIA

A mais recente aposta da Realvisão é o controlo da miopia em crianças e adolescentes. Estudos recentes estimam que em 2050 cerca de 50% da população mundial seja míope, daí que seja importante “prevenir desde a infância”.

“As pessoas que desenvolvam miopia acima das 6 dioptrias têm, aos 75 anos, um risco 21 vezes superior de ter um descolamento de retina e um risco 40 vezes superior de ter uma maculopatia miópica, isto quando comparado com um não míope”, indica.

Tito Encarnação termina revelando que “estamos prestes a tornarmo-nos no primeiro Centro de Controlo da Miopia em Trás-os-Montes. Em breve teremos novidades”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.