Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

COO UP organizou webinar sobre incêndios e perigos

A cooperativa de solidariedade social (COO UP) realizou o I Webinar sobre Incêndios & Perigos: proteção de pessoas e territórios que contou com oradores de excelência.

-PUB-

Em comunicado, o COO UP revela que se tratou de uma iniciativa de natureza informativa/formativa, que aliou conhecimento teórico à prática, permitindo reflexões importantes sobre o papel de instituições, profissionais e das comunidades em contextos de intervenção em situações de crise, e da sua capacidade de intervir ao nível da segurança contra os incêndios.

Todos os intervenientes enfatizaram a perspetiva da prevenção na proteção de todos e necessidade na elaboração de Planos de Segurança, atempada, por parte das instituições.

Neste contexto, os animais “não devem continuar a ser esquecidos”, pois não obstante a sua proteção estar contemplada na lei, na prática “não existem locais de acolhimento para animais em situação de resgate e socorro, dificultando a intervenção no terreno. Seria importante que os Municípios se preparassem para garantir a segurança, também dos animais”.

Numa abordagem dos 5 R’, desde a prevenção à redução de riscos foram destacados pontos importantes neste ciclo, designadamente: análise diagnóstica; prevenção; planeamento; resposta e, por último, recuperação. “Todas estas fases deverão estar interligadas entre si, salientando, também, a abordagem holística do fenómeno e a necessidade de habilitar os profissionais envolvidos de conhecimentos interdisciplinares”.

Compreender as políticas de planeamento e do ordenamento do território, e a forma de como o fogo afeta pessoas, bens, infraestruturas, animais e paisagem, “é absolutamente essencial”, revela a COO UP.

Uma organização setorial do território que garanta a proteção da biodiversidade, gestão dos incêndios de que é exemplo o PNPOT – Programa Nacional de Política e Ordenamento do Território pressupõe, também, o envolvimento de todos, instituições, seus dirigentes e profissionais (devendo as equipas contemplar de forma efetiva técnicos das áreas sociais, nomeadamente Assistentes Sociais), cujo papel “é relevante na mediação e superação de situações socio-emocionais traumáticas e de perdas”.

Os planos de contingência “são processos dinâmicos e abrangentes”, e exigem da parte das instituições e seus responsáveis uma tomada de “decisão atempada e a avaliação contínua da sua execução”.

Após o momento de discussão, partilha e reflexão entre os participantes, “foi unânime o interesse manifestado por todos para a importância de dar continuidade a este tipo de ações para o aprofundamento do tema”.

 

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.