Sábado, 24 de Julho de 2021
© DR

Homem morto a tiro por causa de caminho agrícola

Armando Barbosa, de 64 anos, morreu na tarde de segunda-feira depois de ser atingido com dois tiros de caçadeira, na localidade de Valença do Douro, no concelho de Tabuaço.

-PUB-

Segundo o comandante dos bombeiros de Tabuaço, Marcos Fonseca, o óbito “foi declarado no local pelo médico no helicóptero do INEM de Macedo de Cavaleiros, que se deslocou ao local, mas acabou por não ser utilizado”.

Ao que tudo indica por detrás deste homicídio estará uma discussão por causa de um caminho que dava passagem para uns terrenos agrícolas em Valença do Douro. “Houve um desentendimento entre dois homens, sendo que o mais velho, com 74 anos, foi buscar a caçadeira e disparou dois tiros que atingiram a vítima na cabeça”, adiantou o comandante. 

O alegado homicida, Fernando Augusto, ainda fugiu do local do crime, no entanto, acabou por se entregar às autoridades. 

Ao que a VTM apurou, as desavenças já eram antigas entre os dois homens, desde que Armando Barbosa comprou um terreno que fica abaixo do terreno de Fernando Augusto. 

Na segunda-feira, Armando deslocou-se ao terreno com a filha, que assistiu a este desfecho trágico. 

Os dois homens moravam na mesma aldeia, Valença do Douro, que ficou em choque com o crime.  

O alerta foi dado às 15h55, tendo sido mobilizados para o local sete operacionais apoiados por três viaturas, entre os quais os bombeiros de Tabuaço e o helicóptero do INEM. 

A investigação do homicídio está a cargo da Polícia Judiciária de Vila Real, onde ficou detido o alegado homicida, que foi ouvido ontem no Tribunal de Viseu, mas não foi possível apurar, até ao fecho desta edição, as medidas de coação aplicadas pelo juiz.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.